Credibilidade x Humor: As dificuldades de ambos dentro no rádio

Por Pedro Espinosa, para Coletiva.net

Não se faz nada por acaso. Nada! E muito menos as teses, frases, contextos e debates "apenas" surgem pelo simples fato de que elas teriam que ou tem que surgir.

Fazer rádio em pleno 2018 ficou muito competitivo. As ondas do FM não traduzem mais o que já traduziram em tempos recentes. Aquilo que se referia de humor, credibilidade e entusiasmo no comunicar, hoje, pela velocidade, não se refere nem em 30 segundos (tempo médio de um "spot", ou seja, texto comercial ou informativo no mundo da "latinha").

O tal "falar" no microfone deixou de ser, de modo geral, uma conquista. Estar locutor/comunicador no rádio se transformou por vezes em algo impositivo pela contingência de fatos. O microfone deixou de ganhar merecedores, mas "operários" multifacetados num pluralismo empresarial e corporativista.

E com isso, como fica o conteúdo? O tão debatido conteúdo! Ele é necessário em todas as áreas de atuação em uma emissora. Desde o início das manhãs com informações de trânsito e temperatura, passando por um apanhado geral de política, economia, tendo dedicado também ao esporte, cultura e factual. Em todas as searas, é necessário algo que deveria ser também conquistado: O crédito! A credibilidade! E como mesclar a credibilidade com o humor? Em tempos de YouTube, Instagram e redes sociais destinadas ao segmento?

Nada fácil! Por isso, é necessário estar, acima de tudo, muito bem informado de tudo o que se conseguir. Não precisa ser especialista em determinados assuntos ou áreas, mas é, sim, primário estar bem informado. Dali, como exemplo pessoal, tiro o cerne das piadas e informações que construo diariamente! Sem assassinar o "politicamente correto". Deixando no ar a livre interpretação do ouvinte consumidor do meu produto que levo ao ar. Mesclando humor com a credibilidade que tenho, e que tento manter diariamente.

As dificuldades são imensas! Muitas vezes, ganha-se o carimbo e o rótulo de "conjunto vazio", mas dedicar a fala diária para aqueles que querem se informar e descontrair ao mesmo tempo, é a grande sacada. Vivemos imersos numa podridão diária em nosso contexto de País e de cidadania. Rir de si mesmo é necessário! O "pau pelo pau" ficou esvaziado pelas redes sociais.

Os ouvintes de rádio no FM querem se informar e descontrair! Sem preconceito ou julgamento! Querem passar aquele tempo dentro do automóvel, escritório ou nas academias arejando os ouvidos, ou seja lá onde for - até motel, se duvidar. O grande segredo desta mistura entre credibilidade e humor no rádio é, sim, saber rir de si mesmo, agregando informações e boas tiradas. Assim, o ouvinte saberá diferenciar a hora certa da informação séria, do debate, da piada, do entretenimento e do valor que o tradicional FM ainda pode levar e buscar para quem consome rádio na forma tradicional.

Pedro Espinosa é jornalista e aprsentador esportivo da Rádio Grenal. Também é bacharel em Direito.

Comments