Meus coleguinhas camaradas

Por Grazielle Araújo

Na linha dos textos anteriores, a ideia, hoje, é falar do colega 'alma gêmea'. Aquele que tem o perfil muito parecido com o teu, que te entende com olhar, que compartilha rabugices e boas risadas. O que te substitui sem pestanejar, que tu pode assinar embaixo sem precisar se preocupar, que te representa na tua ausência.

Nesse nosso mundo profissional, ainda um pouco mais verticalizado hierarquicamente, eu prefiro - mesmo quando ocupo um cargo de chefia - que sejamos mais horizontais. Esse modo de trabalhar tende a somar e dar bons frutos. Ok, ainda é preciso alguém para assumir a bronca e responder por um setor. Mas o trabalho conjunto e dividido - quando confiável - é segredo de sucesso.

Tive - e tenho - a sorte de conviver com pessoas assim. Que se adaptam à multiplicidade de ideias, de responsabilidades, de palavras e textos que se completam facilmente. É mais leve trabalhar com quem te vê e te tem como parceiro. É compensador fazer amizades que ultrapassem o horário de expediente. É alegre poder comemorar um aniversário, por exemplo, e reunir colegas de trabalho de diferentes épocas e ver que todos têm algo em comum. Talvez seja o espírito de companheirismo, os gostos semelhantes, as mentes inquietas e a certeza que quando o santo bate, a alma se completa.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM, e com MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada, pela Cândido Mendes. É a responsável pela Comunicação Social do IPE, da Sociedade de Cardiologia do RS (Socergs) e da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV). Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários