Tudo pelo social

Faço um pós EAD, composto por quase tudo que teríamos presencialmente, mas tem detalhes que faltam e não há como substituir. Não me refiro …

Faço um pós EAD, composto por quase tudo que teríamos presencialmente, mas tem detalhes que faltam e não há como substituir. Não me refiro ao conteúdo e sim a todas as outras coisas que vêm agregadas à presença física. Sinto falta é da sala de aula, da conversa entre os colegas, da baguncinha, do networking que esse tipo de encontro proporciona, do compromisso do horário e até das anotações no caderno.
A opção à distância foi em razão da vontade de me manter atualizada, conhecendo e explorando novos assuntos e agregando valor aos caminhos que virão. Sempre tive uma pitada de preconceito com este tipo de ensino, mas a falta de tempo me fez dar com a língua nos dentes e me inscrever em um. Não substitui, mas compensa. As novas formas de interação, ao mesmo tempo que facilitam, criam barreiras da própria convivência. O chimarrão dividido entre os colegas de aula não é possível nos chats e fóruns criados à distância.
O texto de hoje foi inspirado na minha necessidade de estudar algo físico, de ter um papel na mão, de virar páginas. Todas as aulas têm vídeos e links complementares ao polígrafo, que não conseguiram me fisgar. Eu faço o download da versão do PDF, pego minha caneta marca texto e daí sim consigo absorver aquilo que está em minhas mãos. Talvez seja mania de uma geração que apresentava trabalho em cartazes, em lâminas com um retroprojetor, a que salvava arquivos em disquetes e que achou o máximo quando conheceu o pen drive de 500mb. E olha que não sou tão velha assim! Tenho todos os meus arquivos mais importantes no HD Externo, iCloud, Google Drive e nessas nuvens espalhadas por todos os cantos. Me viro bem no PowerPoint e até rolam umas apresentações bacanas no Prezi.
Talvez seja coisa de jornalista, um preciosismo ou até uma mania. O fato é que o olho no olho, as anotações com as canetas coloridas e a dúvida questionada na hora da aula para o professor continua sendo meu método de ensino predileto.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, e Pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM. Atualmente cursa MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada. É a responsável pela Comunicação Social do IPERGS. Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Centro, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. É apaixonada por escrever, acredita na comunicação integrada e estuda para se tornar ? também ? profissional em Planejamento. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários