Notícias de mercado da comunicação do RS.

Home Colunas E O RENAN, HEIM?

E O RENAN, HEIM?

Compartilhar
,

O Eduardo Cunha – já devidamente “hospedado” em Curitiba – deixou sua vaga para o Renan Calheiros que, tudo indica será, demore ou não (já é réu)  terá seus cabelos (implantados) zerados por uma maquineta implacável.

Em plena ditadura jantava eu no Nino, em Copacabana, quando fui abordado pelo jornalista do Jornal do Brasil, Carlos Castello Branco (Castelinho) que, em função profissional, viajaria, em seguida, no voo do presidente-ditador, para Brasília. Aconteceu assim: – Mario, vou ter que viajar agora com o presidente, para Brasília, e não posso entrar no avião sem gravata. Você pode me emprestar a sua? Lá se foi a minha gravata, que. quisera eu, fosse a corda que enforcaria o fdp do ditador.

Uma tarde, de bermuda, entrei distraído no Nino para almoçar. Inda bem que eu era conhecido, pois o Ademar, o gerente, com toda a delicadeza me expulsou do espaço. Na calçada, entre o primeiro Bob’s do Brasil e um galeto, fui de galeto.  Consta no meu currículo que em Caxias (RS) comi muitos galetos, incluídos na gastronomia gaúcha pelo colonos italianos lá residentes. O vinho, produção da cidade, descia bem.

Almocei, em Natal (RN) entre o maior folclorista do país, Câmara Cascudo e o introdutor  da sociologia no Brasil, Gilberto Freire. Como eles fizeram questão que eu sentasse entre eles, resignado pela honraria, avisei: tudo bem, mas vou ter que colocar no meu currículo.

De férias em Manaus com Aurea, fomos ao Teatro Amazonas, assistir  a Esperando Godot, de Samuel Becket , com elenco  todo feminino. Havíamos montado esse texto em Porto Alegre, um grande sucesso dirigido por Luiz Carlos Maciel com Paulo José, Lineu Dias, casado como Lilian Lemmertz, mãe da Júlia, Paulo José, Peréio e eu. Eva Wilma estava no elenco e no jantar falei para ela que havia assistido a sua estreia  como atriz, numa quadra de bola ao cesto (ainda não era basquete), esporte na qual fui campeão paulista juvenil pelo Pinheiros, grande clube de São Paulo de origem alemã. Eva estava no espetáculo no Teatro de Arena do José Renato, antes da sede própria, na rua paulistana Teodoro Bayma, a 20 metros do Bar Redondo, onde começa a Avenida Ipiranga, aquela mesmo que em Sampa, Caetano Veloso refere-se à esquina com São João, onde se encontravam, lá pela meia-noite, artistas de teatro e de televisão. Foi lá que numa quarta-feira à noite, Fábio Sabag, apontando para mim, gritou: é você mesmo. Domingo à tarde, na TV Paulista, de coroa e vestido de rei eu fazia parte de um programa infantil. Dia seguinte, entrando num bonde fechado, apelidado, pela cor, de Camarão, fui saudado por um garoto: olha o rei, olha o rei…

Pior que o Renan réu e indiciado mais de 10 veze, está Lula, reserva imoral da nação.

O pior trabalho do ex-presidente da nação, o cara que não tem ninguém mais honesto que ele, coisa que eu não tenho coragem de dizer a meu respeito, acho que é procurar quem paga suas contas, além das empreiteiras, paus para todos os tipos de obras.

E O RENAN, HEIM?

Inté.