Notícias de mercado da comunicação do RS.

Home Colunas Coluna do Nenê

Coluna do Nenê

Compartilhar
,

DESTAQUE

Esse guri querido, carinhoso, trabalhador, empreendedor, com muito sucesso é o Destaque da Semana. Fernando Curi. Carinhosamente o chamo de filho, porque sempre convivi com ele.

Sou gaúcho de Porto Alegre, pisciano (já diz um pouco da minha personalidade), formado em Administração de Empresas pela PUCRS, com MBA em Marketing pela ESPM e alguns cursos de especialização, entre eles um que a Disney University fazia – Administração ao Estilo Disney.

Casado com a mulher mais maravilhosa do mundo, Luciana Lopes, com quem tenho dois filhos fantásticos. O Lucas e a Manoela.

Nasci e vivi em uma casa onde passaram todos os profissionais de Publicidade dos Pampas e do mundo. Afinal, quando vim ao mundo meu pai já trabalhava com Propaganda. Porém, sempre alijado por uma questão de ética. Meu pai não queria que eu trabalhasse com Publicidade.

Fui me virar. Meu primeiro trabalho formal foi na Office Marketing, com meu amigo Josemar Basso e a minha queridona Eliana Azeredo. Depois disso, montei uma empresa de representação. Meu sangue de vendedor já estava pulsando na veia.

Pois bem, minha carreira publicitária se confunde um pouco com a história da Curi e Associados.

Ajudei a fundar a Curi e Associados em 1992. Há exatamente 25 anos, quando meu pai, Esperidião Curi, saia da RBS. Era janeiro de 1992, e como toda a família gaúcha, minha mãe e meus irmãos estavam na praia. Meu pai me liga e diz que precisava conversar. Logo depois chega em casa e me diz que seu ciclo na RBS tinha finalizado. Viro pra ele e digo, agora tu está pronto pra ser meu sócio, bem-vindo sócio.

Um mês depois, conseguimos nossa primeira representação, o Jornal Folha de SãoPaulo – que representamos até hoje no mercado do Rio Grande do Sul. Depois disso, estávamos vendo o Mercosul, querendo explodir (coisa que não aconteceu ainda), começamos a representar também o Jornal La Nacion (Argentina) e o Jornal El Pais (Uruguai). Nosso primeiro ano foi de muito aprendizado.

Logo depois disso, veio a Globosat (na época NET Brasil).

Entendemos que o nosso principal valor é o conhecimento do mercado. Optamos na nossa empresa a ter poucos representados. Os melhores de cada segmento. E tratamos de buscar sempre isso. Aprendi com meu pai que quem vende tudo não vende nada. E decidimos que nossa empresa seria do tamanho que nos pudéssemos dar o melhor atendimento ao mercado e ao representado. E quando achássemos que não daríamos conta teríamos a franqueza de dizer. Ensinou-me também o que é ser malandro, que malandro é o cara honesto, que fala a verdade, que pode perder um negócio, mas nunca o amigo, malandro é a pessoa em que você pode confiar. Ensinou-me também que a palavra cúmplice substitui a palavra parceiro.

Hoje, a Curi e Associados representa a Globosat (PAYTV), a Folha de S. Paulo (jornal), a Fitmidia (programática), a Flix (Cinema) e a Elemidia (OOH).

Eu, minha sócia Gabriela Rauber, comigo há 10 anos, minha fiel escudeira Fabiana Martini e nossa novinha Ceres Hack, queremos fazer a diferença no mercado. Temos um desafio para os próximos anos de entender como o mercado esta mudando e acompanhar sua evolução. Estamos dia a dia observando, agindo e reagindo as mudanças.

Um agradecimento especial a um cara que não sai da minha cabeça: obrigado por tudo Curi Pai.

OPINIÃO

“O ano só começa depois do carnaval.” Essa é, possivelmente, a frase mais popular no Brasil durante os primeiros meses do ano. É só depois do Carnaval que as coisas começam a entrar nos eixos, isto é, se não estivermos falando de grandes empresas e áreas comunicacionais.

Todos os anos, milhões são gastos e arrecadados com o evento. Só no Carnaval, as prefeituras paulista, carioca, baiana e pernambucana investiram mais de R$ 100 milhões.

Quando o assunto é grandes empresas, o esquema é outro. São investidos milhões, principalmente, no Carnaval do Rio e de Salvador. Ambev (com a marca Brahma), o banco Itaú, a Petrobrás e a Schin.

São nestas datas que marcas nacionais e internacionais aproveitam para injetar grande quantidade de dinheiro em propagandas, com a finalidade de atingir o público e aumentar as vendas. Ou seja, o ano começa sim, no 1º de janeiro.

Todas as empresas querem estar presentes nas grandes propagandas ‘carnavalescas’ de início de ano, o que até parece uma boa ideia no começo, mas o empreendimento pode se tornar um gasto desnecessário para o negócio. “Muitas empresas estão presentes para aparecerem, eles consideram o investimento, mas não conseguem comprovar nenhum retorno.”

Essa opinião não é compartilhada pelos administradores de empresas com especialização em Marketing. Para eles, a visibilidade só é reforçada com essas propagandas. Se você atingir um percentual mínimo daquela quantidade, já um valor significativo da marca.

Mas a questão é: como saber se a empresa ou produto deve ou não participar dessa leva de propagandas carnavalescas?

Que para obter um posicionamento, só mesmo realizando pesquisas e análises de mercado. Quem faz, quem mede, quem divulga esses resultados?

Não é possível uma opinião concreta sobre investimentos. O que era uma verdade antes, hoje já não é mais e por isso não é possível generalizar. É claro que se não há correspondência o investimento não pode ser feito, mas é preciso ter calma e analisar as circunstâncias.

A palavra de ordem é calma, porque as respostas são passageiras. Tudo parte de uma análise constante das necessidades da empresa, ou como pode-se  afirmar, as respostas são provisórias. A pergunta é, o carnaval vai me ajudar nesse ano? É preciso fazer uma análise clínica sobre o assunto, porque não há verdade absoluta sobre nada.

Em uma coisa, todos os profissionais concordam, em datas sazonais as campanhas publicitárias e marqueteiras aumentam. Ainda mais em um país multicultural como o Brasil. Agora, se o trâmite é bom ou não, só com muitas reuniões, briefings, brainstorms e planejamentos.

MEDIDAS

Dizer que o Governo do Estado ‘GASTA’ muito em Publicidade e que isso prejudica o pagamento da folha e de fornecedores é não ter conhecimento mínimo dos números que significam esse investimento, que é o correto frente aos gastos do governo.

Para melhor esclarecimento, vejam aqui alguns exemplos:

Existe uma determinação que 5% da arrecadação do Detran, proveniente de ‘N’ fontes, devam ser transformadas em propaganda educativa.

A Secretaria da Saúde do Estado, como todos os outros, recebe recursos federais para campanhas de vacinação e para outros fins.

As estradas gaúchas e pedagiadas devem comunicar à população o que estão fazendo e, principalmente, quando acontecem desastres de natureza.

A Corsan precisa dizer que está fazendo e construindo mais pontos de abastecimento e também dizer quando falta água e por que. A CEEE idem.

O governo precisa comunicar. E esse governo, principalmente, pois faz tudo com transparência e com muito zelo pelo dinheiro público.

Será que cortando auxílio moradia, verbas para eventos, diárias, aluguéis de carros, esse dinheiro não seria bem mais alto que fazer comunicação?

Não podemos ficar a mercê de justiceiros e que todos estejam errados! Todos querem ser Moros! Ele nunca pediu holofotes!

A atitude de fazer parar pode fechar centenas de rádio, milhares de jornais, gráficas, mídia exterior, desempregar milhares de pessoas e assim por diante.

Cabe a ARP, o Sinapro, a Abap, a Fenapro, os grupos se unirem e se manifestarem contra essa medida que só vem a desmerecer o nosso Estado. Sem medo, ou ficar acuado com manifestações silenciosas. A necessidade é apolítica, sem bandeiras e sem cor. Mostrem força e união!!!!!

OPORTUNIDADES

Existem hoje no Estado mais de 13 mil vagas de trabalho à disposição. Significando que já sente uma luz no fim do túnel.

SUCESSO

Depois de 10 edições com sucesso de leitura, de distribuição e de anunciantes, o Jornal Expresso Verão fez do nosso Litoral a grande atração. Provamos que o jornal impresso ainda é um bom instrumento de propagar a informação e valorizar as marcas dos clientes. Foram 200 mil exemplares que passaram por mais de 60 pontos de distribuição entre Estada do Mar, BR 101 e mais de 10 praias, sempre com mais de 95% das edições esgotadas. Sucesso, que foi feito com muita coragem, carinho e uma equipe de fé que esteve sempre atenta a tudo. Até o ano que vem. Mas logo tem Expointer Especial e um novo jornal, preparem-se.

OBRIGADO

Obrigado à Magali, obrigado à Laura, obrigado à Clarissa, obrigado a ninguém mais que faz parte desse mundo da mídia gaúcha, que não recebe, não lê, não diz nem não, nem talvez, nem muito menos sim. Que só está em planejamento, que só se reúne com os mesmos de sempre. Que não aceita o novo, mas fala no novo. O Jornal Expresso Verão foi um sucesso e será maior em 2018 por seus clientes e seus administradores que querem o novo, que apostam em projetos que têm direção certa e público-alvo definido. Foram mais de 100 e-mails informando sobre o projeto, foram mais de 200 propostas para as 10 edições. As que tiveram respostas foram sempre dos clientes e seus marketings. Mais uma vez obrigado, Magali e Laura, mesmo que não tenham fechado, fizeram de tudo e torceram pelo êxito.

ARTIGO

Em artigo publicado na ZH de segunda feira, 20 de fevereiro, João Satt, presidente do Grupo G5, escreve sobre “Ser intransigente quanto sorrisos amarelos é um ato de libertação”… É muito difícil aceitar a intransigência inteligente, mas no momento em que você se dá conta do quanto seus efeitos são benéficos e libertadores, com certeza, sua próxima critica será a favor do velho sistema, e sim contra tudo o que não venha ao encontro do bem e do bem- estar de todos. “É inteligente ser intransigente.” texto inteligente e também intransigente.

DESPEDIDO

Por contenção de despesas, o Grupo Editorial Sinos demitiu um dos profissionais mais competentes do mercado. Nelson Ferrão, como diretor de Redação dos jornais, sempre buscou a inovação. Estudioso e contemporâneo fez um trabalho brilhante e sempre soube valorizar sua equipe. Temos certeza que pela sua capacidade, Mola para os íntimos, será absorvido e logo estará em outras bandas.

WMcCANN

A conta de publicidade da Del Valle, marca de sucos do grupo Coca-Cola Brasil, passa a ser gerida pela agência WMcCann. Além da nova marca do grupo, a agência já toma conta das divisões Coca-Cola Brasil, Coca-Cola Retornáveis, Sprite e Crystal.

Antes, a conta da Del Valle no Brasil era atendida pela Wieden+Kennedy São Paulo. A WMcCann já anunciou que planeja os primeiros trabalhos para o anunciante para este mês.

ARP

A Associação Riograndense de Propaganda (ARP) acaba de lançar mais uma edição da revista Review que, pela primeira vez, conta com o diferencial de ser exclusivamente em formato digital. A publicação traz os melhores momentos da Semana ARP Especial 60 Anos, com matérias, entrevistas e fotos das palestras e ações paralelas. Além disso, é possível conferir uma galeria de fotos e a lista de premiados no Salão da Propaganda e dos homenageados no inédito Prêmio Origens, realizados durante o Jantar da Propaganda. Assim como a 13ª edição do evento, a revista vem embalada no tema ‘O que mudou e o que nunca vai mudar’ – uma reflexão que valoriza a ideia como elemento-chave para conectar as pessoas e gerar impacto na sociedade.

“A Review é um veículo importantíssimo para o relacionamento da ARP com o mercado. É o maior e mais completo pós-venda da Semana ARP. Por isso, estamos felizes de poder distribuí-la no início do ano, quando o evento ainda está presente na lembrança das pessoas”, destaca o presidente da ARP, Zeca Honorato.

A edição está disponível em www.arpnet.com.br/ARP_2016.pdf.

JORNAL DO BRASIL

Um dos mais tradicionais títulos da imprensa brasileira voltará às bancas a partir de maio. O Jornal do Brasil, que desde 2010 deixou de circular em papel, seguindo apenas no digital, voltará a ser impresso.

O título acaba de ser adquirido pelo empresário carioca Omar Peres, ex-proprietário de uma afiliada da TV Globo em Minas Gerais. O executivo é dono de negócios principalmente na área gastronômica, mantendo bares e restaurantes tradicionais no Rio de Janeiro e Brasília.

O novo JB será vendido apenas em bancas, sem o modelo de assinaturas por enquanto, e terá inicialmente dois cadernos, ganhando aos domingos edição ampliada.

A redação funcionará no centro do Rio, e contará com 30 profissionais, entre eles, ‘gente importante’, como explicou o novo proprietário. O título terá ainda apoio de agências de notícias para conteúdo de esportes e internacional, assim como boa parte do noticiário de política.

BISTRÔ

A Previsul Seguradora fecha parceria com uma nova agência de publicidade, a Bistrô, que será a responsável pela comunicação 360º da seguradora com seus diferentes públicos. A agência já era a responsável pelo Endomarketing da companhia na qual veio apresentando ótimos resultados e, com o intuito de alinhar toda a comunicação, eles passarão a atender também o institucional, trade, mídia e digital, em todo o território nacional.

A mudança de agência ocorre em um momento em que a Previsul busca evoluir cada vez mais como marca, trazendo mais aproximação com seu público, além de fortalecer seu posicionamento como seguradora orientada para o futuro, desenvolvendo uma comunicação cada vez mais simples e fácil.

Após a aquisição pela Caixa Seguradora, em 2013, a Previsul desenvolveu o posicionamento de ser uma seguradora orientada para o futuro, com uma proposta de ser mais simples, mais fácil, mais ágil, mais flexível, mais moderna e mais inovadora.

INANDIPLÊNCIA

Estudo especial da Serasa Experian revela o crescimento da inadimplência de estudantes com instituições de ensino particular em todo o país. A falta de pagamento das mensalidades dos alunos com as escolas de ensino infantil, fundamental e médio foi 8,5% maior em 2016, na comparação com 2015. O mesmo movimento foi verificado na inadimplência dos universitários com o ensino superior, que apresentou alta de 8,1% no ano passado.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o desemprego e a recessão econômica mantiveram em alta a inadimplência com as escolas no ano passado. Porém, a diminuição da inflação ao longo do segundo semestre do ano passado, aliviando um pouco o bolso do cidadão brasileiro, ocasionou essa desaceleração no crescimento verificada em 2016, em relação a 2015. Se as escolas e universidades não revisarem seus financeiros, estúpidos, alheios a tudo, minguarão os alunos.

INTERNET DAS COISAS

A IBM e a Visa anunciaram a primeira colaboração da indústria para levar o ponto de venda para praticamente todos os lugares. Em outras palavras, isso significa que será possível realizar experiências de pagamento em qualquer dispositivo conectado à Internet das Coisas: de relógios a anéis, passando por eletrodomésticos e até carros.

A parceria une a plataforma Watson IoT e as capacidades cognitivas da IBM aos serviços de pagamentos globais da Visa, usados por mais de três bilhões de consumidores no mundo. “A IoT está literalmente mudando tudo à nossa volta, seja por permitir que as empresas conquistem níveis inimagináveis de eficiência ou por possibilitar que uma lavadora de roupas nos ajude a nunca ficar sem detergente em casa”, diz Harriet Green, diretora geral da IBM Watson IoT.

“Além de promover um mundo mais conectado, a Internet das Coisas está mudando a forma como vivemos, compramos e pagamos ao levar dados e pontos de venda para onde quer que o consumidor esteja”, diz Jim McCarthy, vice-presidente executivo de inovação e parcerias estratégicas da Visa.

Outro ponto interessante da parceria é a possibilidade que as empresas terão de construir experiências de comércio personalizadas e, a agir proativamente, fazendo recomendações baseadas nas necessidades específicas de cada consumidor.

Com o ecossistema do carro conectado à plataforma Watson IoT, por exemplo, o motorista pode ser alertado quando a garantia ou licenciamento do carro estivesse quase vencendo ou quando a data de substituição de uma peça estivesse próxima. Com essa informação, o motorista poderia comprar as peças tocando em um botão, ou programar uma revisão na oficina de sua preferência. Ele poderia até pagar o combustível por meio de uma interação direta entre o carro e a bomba de gasolina.

Da mesma forma, uma corredora que usasse um dispositivo de fitness e um chip wireless de corrida, poderia receber um alerta digital quando seu tênis precisasse de substituição, além de uma recomendação do melhor modelo e onde encontrá-lo pelo melhor preço, em um varejista de sua preferência. Ela poderia receber ainda várias outras recomendações relevantes e personalizadas, como dicas de nutrição e equipamentos, baseadas em sua performance, no clima local e em suas preferências de compra.

Autor
Publicitário,há mais de 35 anos atua no mercado da Comunicação. Acumula passagens por agência e veículos de comunicação, no Rio Grande do Sul, Brasília e Santa Catarina. Hoje, atua como gestor da Inovação,empresa com foco em representação de veículos e produtos próprios. Foi responsável pela Coluna do Nenê, que era publicada no jornal ABC, do Grupo Sinos, e nas redes sociais.