Notícias de mercado da comunicação do RS.

Home Colunas A burrice no Bananão e nos Esteites

A burrice no Bananão e nos Esteites

Compartilhar
,

Com o advento da internet, descobriu-se o que se suspeitava: o Bananão está lotado de gente burra. Mas depois de ver os resultados de uma pesquisa feita nos EUA, me pergunto: a estupidez nativa tem como concorrer com a gringa?

A pergunta era: de onde vem o leite achocolatado? Sete por cento dos entrevistados responderam que vem de vacas marrons. Isso significa milhões de americanos.

Não acho isso estranho. Estranho é que tanta gente, aqui no Bananão, queira ser americano.

Burrices de celebridades

Britney Spears: “Nunca tive grande vontade de ir ao Japão. Simplesmente, porque não gosto de peixe e sei que lá na África o peixe é muito popular”.

Arnold Schwarzenegger: “Acho que o casamento homossexual deveria ser entre um homem e uma mulher”.

Alicia Silverstone: “Acho que o filme ‘As patricinhas de Beverly Hills’ era muito profundo. Acho que era profundo no sentido em que era muito leve. Acho que a leveza, para ser verdadeira, tem de vir de um lugar muito profundo”.

Axl Rose: “É difícil manter uma relação monogâmica se a outra pessoa não me deixar estar com outras pessoas”.

Brooke Hogan: “O voto não me interessa muito. Acho uma loucura uma mulher se candidatar, porque as mulheres têm que lidar com muitas emoções, menopausa, tensão pré-menstrual”.

Brooke Shields: “Fumar mata. Se você morre, perde uma parte muito importante da tua vida”.

Bryant Gumbel: “Não é que desgoste de muitas pessoas. Simplesmente, não gosto de muitas pessoas”.

Cameron Diaz: “Sinto a gravidade desde muito nova”.

Jessica Simpson: “Não sou anoréxica, sou do Texas. Há pessoas do Texas anoréxicas? Nunca ouvi falar de nenhuma, isso inclui a mim”.

Joe Theismann: “A palavra ‘gênio’ não se aplica ao futebol. Um gênio é um homem como Norman Einstein”.

Jon Gosselin: “As pessoas pensam que eu mudei e, de fato, mudei. Agora sou a pessoa que sou”.

Kim Kardashian: “Odeio quando as mulheres usam base na cor errada. É capaz de ser a pior coisa do planeta”.

Mariah Carey: “Sempre que vejo na TV aquelas crianças esfomeadas por todo o mundo, choro. Eu gostaria de ser tão magra quanto elas, mas não com aquelas moscas e morte”.

Paris Hilton: “Sou muito mais esperta agora. Toda a gente me diz ‘tira a camisa’. Desculpem, mas não. Eu sei que eles só querem tirar uma foto do momento para ganharem dinheiro, não sou estúpida”.

Yogi Berra: “É difícil fazer previsões, principalmente sobre o futuro”.

Dan Quayle: “Se não formos bem sucedidos, corremos o risco de falhar”.

Vilões e vilões

Segundo o Estadão, o rombo causado pela corrupção é de R$ 124 bilhões em cinco anos. Acho que deixaram de fora a sonegação, como sempre. Os zelotes são uma vaga lembrança, talvez um sonho, uma obscura melancolia numa tarde de chuva.

Mesmo assim, R$ 124 bilhões em cinco anos são muita grana, não? Pois isso, segundo contas do Fernando Brito, é mais ou menos o que os cofres públicos pagam em apenas três meses pra alimentar o rentismo.

Aí, quando a gente fala nos privilégios da casa grande – que são a grande corrupção como diz o sociólogo Jessé de Souza e nem se considera corrupção –, tem gente que acha a expressão casa grande cafona e com isso considera a crítica rebatida.

Como dizia um tio meu, gaúcho dos quatro costados: “É dura a vida de campo pra quem não sabe pastar”.

A lei da gravidade no Bananão

No Bananão, só ela é cumprida, mesmo assim contra a vontade. Não é verdade. A lei do mais forte pegou muito bem entre nós.

Vocês devem conhecer a história, mas devemos repeti-la uma vez por semana, pra não esquecermos do poder da burrice e da burrice no poder. Um hoje folclórico prefeito de Palmeira dos Índios – sim, a cidade onde Graciliano Ramos também foi prefeito – queria fazer um reservatório d’água num lugar que ficava abaixo do nível da cidade. O projeto foi vetado pelo engenheiro, que alegou que contrariava a lei da gravidade. O prefeito não teve dúvida, mandou um assessor ver se era lei municipal. Se fosse, ele dava um jeito de revogar, tinha os vereadores na mão.

Cameron Diaz e a lei da gravidade

Não conheço o contexto em que a Cameron disse que sentia a gravidade desde cedo. Pode ser uma ironia, não? Talvez falasse de um dos problemas cruciais da humanidade: os seios.

Álbum de figurinha “Perguntar Não Ofende”

Já existia reencarnação no tempo dos dinossauros? Aguardo ansioso as respostas dos especialistas.

O inefável cara de pau

Gilmar Mendes: “Quem quiser fazer política, que vá aos partidos políticos e faça política lá. Não na promotoria, não nos tribunais”.

Que tortura Dante reservaria a Gilmar no Inferno? Algo relacionado à boca, talvez. Digamos uma piscina cheia de merda, o nível alcançando a parte superior do bigode do sujeito, que tem uma vontade irrefreável de falar.

Autor
Ernani Ssó se define como “o escritor que veio do frio”: nasceu em Bom Jesus, em 1953. Era agosto, nevava. Passou a infância ouvindo histórias e, aos 11 anos, leu seu primeiro livro sozinho:Robinson Crusoé. Em 1973, por querer ser escritor, entrou para a Faculdade de Jornalismo, que deixou um ano depois.  Em sua estréia, escreveu para O Quadrão (1974) e QI 14,(1975), publicações de humor. Foi várias vezes premiado. Desenvolve projetos literários para adultos e crianças.