Jogo para craque

Sou gremista, fã de futebol, mãe de guri. Dia desses enquanto assistia mais uma vitória do meu tricolor, me dei conta que um profissional …

Sou gremista, fã de futebol, mãe de guri.
Dia desses enquanto assistia mais uma vitória do meu tricolor, me dei conta que um profissional da comunicação precisa saber jogar em diferentes posições, mas sempre no mesmo time - o da verdade. Por vezes, fizemos até papel de técnico.
Deixando a modéstia de lado, somos bons mesmo. Time de primeira divisão, de G4, conhecem?
Um dos destaques desse time é o goleiro. Tem jogos em que cada defesa, é daquelas "como um gatoooo", como diz Tadeu Schimidt, aos domingos. Eu diria que está é uma posição estratégica no plano de jogo.
Mas precisamos ter bons zagueiros, para tentar deixar a bola mais amena para o goleiro. Não dá pra furar na frente do gol. Fazer isso é contar até com a sorte, sabemos que acontece.
O meio de campo pode jogar também como volante. O que importa é ele entender o objetivo e tocar a bola dominada pra frente. Lá, vai ter quem saiba chutar com uma, melhor se chutar com as duas. Tem equipes com o matador, aquele que fica na área só esperando. E tem os mais guerreiros, que carregam a bola até o gol.
Tudo redondinho, é difícil não marcar e subir na tabela. Com determinação, muito treino e foco no resultado, o topo é o limite.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, e Pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM. Atualmente cursa MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada. É a responsável pela Comunicação Social do IPERGS. Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Centro, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. É apaixonada por escrever, acredita na comunicação integrada e estuda para se tornar ? também ? profissional em Planejamento. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários