O smartphone amplia o individualismo ? parte 1

A vida mudou muito desde que o smartphone apareceu! A relação com a tela multi-touch ficou tão íntima que a maioria das pessoas esquece …

A vida mudou muito desde que o smartphone apareceu! A relação com a tela multi-touch ficou tão íntima que a maioria das pessoas esquece que o primeiro smartphone foi lançado pela Apple em 2007 e, apenas em 2013, os smartphones superaram em vendas os celulares tradicionais.
Para muitos, é impensável viver sem o celular, não lembrando que esta relação tem menos que meia década. O smartphone é muito mais que um telefone, tornou-se parte indissociável de muitas pessoas, pois integra e facilita o dia a dia oferecendo várias facilidades. Entre elas:
- Colocar as pessoas em contato permanente com amigos, familiares, incluindo os grupos intermináveis de WhatsApp;
- Fornecer música, jogos, vídeos e bate-papos: sendo um ótimo companheiro contra o tédio;
- Facilitar pesquisas em tempo real: "conecta as pessoas com o mundo" e com o conhecimento;
- Tornou-se uma ferramenta fantástica para deslocamento. Os GPS abrem mapas de navegação, indicando até a existência de radares de fiscalização. Para a maioria dos motoristas não dá para pensar o deslocamento para novos destinos sem o GPS, sem mapas digitais!
- Tem ótimas câmeras de fotos e vídeos, que permitem o registro de todos os grandes momentos ou acontecimentos do cotidiano.
Esta é uma pequena lista dos benefícios que o smartphone, aliado com a internet, proporcionaram à sociedade em poucos anos de existência. É importante observar que o smartphone criou um marco de mudanças comportamentais e está desenvolvendo novos paradigmas de relacionamento.
E quando há novos paradigmas em curso é vital nos "desconectarmos" um pouco de práticas individualistas - do "eu" e o "smartphone" - que tendem a ativar o egoísmo humano e ampliar novos distúrbios sociais, a fim de fazermos uma reflexão e um debate sobre os malefícios do smartphone.
Temos que ter a consciência de que estamos disputando os momentos do dia a dia entre as várias telas (desk, tablet, notebook, smartphone, smart TV e TV) e a realidade, criando e estimulando cenários que desmotivam a interação social, o "olho no olho" e que ampliam o individualismo, podendo ser observados em exemplos cotidianos:
- Casal de namorados jantando em um restaurante: cada um conectado com o seu celular e os momentos de interação são para os registros fotográficos que serão postados logo em seguida;
- Convidados que entram em uma festa de aniversário de um amigo comum e não interagem entre si. Durante o evento, passam a festa conectados ao seu celular e desconectados da possibilidade de fazer novas amizades reais;
- Pessoas embarcam e desembarcam de transportes coletivos sem perceber quem "subiu e/ou desceu", "não olham" o trajeto e, tampouco, falam sobre o "tempo" com cobrador.
"Ninguém mais tem tempo", pois o tempo disponível está sendo ocupado com o celular. O tempo não disponível também está sendo ocupado com o celular, criando o fenômeno da distração digital. Neste contexto, o celular intensifica o individualismo fazendo com que a capacidade de relacionamento social fique prejudicada. Quanto menor for o relacionamento social maior será a apatia social, que é agravada por todo o contexto político e econômico do País.

Autor
Elis Radmann é cientista social e política. Fundou o IPO - Instituto Pesquisas de Opinião em 1996. Utilizando a ciência como vocação e formação, se tornou uma especialista em comportamento da sociedade. Socióloga (MTb 721), obteve o Bacharel em Ciências Sociais na UFPel e tem especialização em Ciência Política pela mesma universidade. Mestre em Ciência Política pela UFRGS e professora universitária, Elis é diretora e Conselheira da Associação Brasileira de Pesquisadores de Mercado, Opinião e Mídia (ASBPM) www.asbpm.org.br

Comentários