A arte sempre imita a vida

Quantas vezes a gente já leu ou escutou que a arte imita a vida? Quantas vezes ao ver um filme, uma série, uma peça de teatro ou uma novela você achou que a ficção está bem mais próxima da realidade do que se imaginava? Quantas vezes você escutou a expressão 'isso é muito Black Mirror'? As redes sociais têm sido bastante movimentadas com esses assuntos, principalmente, em finais de temporadas ou nos capítulos finais de novela, como aconteceu com 'A Força do Querer'. Mas não noto essa mesma comoção no início de novos programas. Um exemplo é 'O Outro Lado do Paraíso' (sim, sou noveleira), que começou na última semana na Globo e teve, na minha opinião, uma das cenas mais bonitas e fortes abordando um assunto tão comum e que ainda é tabu em muitos espaços: o relacionamento abusivo.

Para quem não viu (dá para achar no Google), vou tentar descrever a minha sensação ao ver, no segundo capítulo da novela, uma menina do interior do Tocantins, que foi criada pelo avô e pelo pai e que casa com um cara de família rica residente na capital, na noite de núpcias. Depois de ter sido extremamente ciumento e ter perdido o controle na festa de casamento, Gael e Clara são levados por um barco até uma casa na beira do rio na qual irão passar a primeira noite juntos. O cara, já alterado pela bebida, continua tomando espumante, enquanto ela está encantada com o lugar que ele preparou para os dois e pede, inclusive, que ele pare de beber. Ele vai até ela e começa a agarrá-la com força. Ela pede para trocar de roupa. Ele não deixa, vira ela de costas e começa a rasgar o vestido de noiva. Joga ela na cama. Ela diz que está com medo. Ele manda ela calar a boca e parte com violência para cima dela. As cenas seguem com imagens dele e com close no rosto dela enquanto o marido a estupra, misturadas com outras nas quais aparece que ela está se afogando e tentando sair da água. Foi uma sequência angustiante. Os diretores conseguiram colocar em imagens um sentimento que é quase impossível de expressar. Terminei de ver a cena encolhida no sofá e me sentindo extremamente mal. Em seguida, Clara aparece sentada a beira do rio jogando seu buquê na água. Quando amanhece, Gael senta ao lado dela e pede desculpas por ter sido bruto. Ela explica que nunca achou que seria daquele jeito, que esperava carinho e não o que aconteceu. E os dois acabam se reconciliando.

Por ter me impactado tanto, corri para as redes sociais para ver o que povo estava falando. Imaginando que teria um burburinho enorme. Nada na minha bolha do Facebook. Zero. No Twitter, uma amiga e um amigo comentavam sobre a cena. Troquei alguns tweets com eles. O retorno dele foi 'ela é tão bobinha que nem se ligou'. Tive que dizer para ele, e reafirmo para quem achou a mesma coisa, que quando se está apaixonada e num relacionamento abusivo, a gente não enxerga, a gente não consegue sair dele, muitas vezes por medo do que pode acontecer com a gente. E, em outras vezes, tu só te dá conta do que acontecia quando tu te afastas. E, por mais que nos digam e a gente saiba que a culpa não é nossa, a gente se martiriza por um bom tempo até aceitar que o problema é com o outro e não contigo. É importante lembrar que o relacionamento abusivo não é só físico, nem sempre deixa marcas no corpo, mas, com toda certeza, destrói a alma, a autoestima, a confiança em quem se é. E para recuperar tudo isso leva um bom tempo (quando se consegue). A única certeza que se tem é que a gente nunca esquece e o receio de acontecer de novo é permanente. Quem já passou por isso, vai me entender.

Em uma semana de novela, o tal Gael já teve uma série de ataques de ciúme sem sentido (pelo menos para quem assiste), estuprou a esposa, teve ataques porque ela não fez comida que ele gostava e já bateu nela a ponto de derrubá-la da escada. Tu podes até pensar 'ué, mas novela não é pra entreter e fazer as pessoas não pensarem nas suas vidas?'. Também é. Mas acho que nunca é demais tocar em assuntos necessários como este. E como é importante isso ser exposto no horário nobre, quando a maioria das famílias estão reunidas em frente a TV. Claro, que não estamos falando das classes mais altas, nas quais esse tipo de abuso acontece muito também. Mas para aqueles que não tem todo o acesso à informação que alguns espaços e a internet nos dão. Ontem mesmo no Fantástico, ao falar sobre os personagens de 'O Outro Lado do Paraíso', uma reportagem expôs que, segundo um estudo da ONU, três em cada cinco mulheres já foram vítimas de relacionamento abusivo. Ou seja, não somos poucas. Somos a maioria. E, apesar de termos uma lei para nos proteger, ainda temos muito medo. Mas, como dizem por aí, se tem medo, vai com medo mesmo. Denuncie. Ligue 180.

Autor
Jornalista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Marketing e mestre em Comunicação - e futura relações públicas. Há 15 anos, atua em assessoria de imprensa, comunicação corporativa, produção de conteúdo e relacionamento. Possui experiência no atendimento de clientes, públicos e privados, das áreas de educação, moda, gastronomia, entretenimento, música, varejo, construção civil, setor moveleiro, automobilístico e instituições financeiras. Tem passagens pela Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, e, na área cultural, fez a divulgação de mais de 30 shows nacionais e internacionais na capital gaúcha. Atualmente, é Gerente de Atendimento na CDN Sul e integra a diretoria da ABRP RS/SC.

Comentários