A importância de ter um tempo pra gente

Há alguns anos, estive numa palestra de Mario Sérgio Cortella e sai dali com outra ideia sobre equilíbrio. A gente tem mania de achar que equilíbrio é estar no meio da balança com tudo pesando exatamente a mesma coisa na nossa vida, mas é bem diferente disso! Até porque se está tudo do mesmo jeito, a gente não sai do lugar, não é mesmo? Para ele, equilíbrio é tu conseguires ir de um extremo ao outro sem grandes problemas. Manter-se em movimento.

O grande problema é que, às vezes, confundimos este 'nos manter em movimento' com um zilhão de coisa sem parar um minuto para respirar e descansar. Que manter o movimento é estar sempre ocupada, produzindo e por aí vai! Até que chega um momento em que a gente pifa! O corpo desliga! E não há nada mais real do que aquela máxima: se tu não para, teu corpo para por ti. E aí, aparece a síndrome de burnout, as paralisias faciais (né, Pri?), as dores nas costas e não saber respirar mais. A gente tem que saber dar uma pausa, antes que a pausa vire uma parada abrupta e seja definitiva.

Só eu tive duas pielonefrite por esgotamento e por estar com a imunidade lá no pé? Tinha por muito tempo enxaqueca crônica. Já passei muito mal dentro da própria agência depois de um dia bem estressante, no qual comi correndo, fui pra uma reunião tensa e, no final do dia, buguei. Vivemos sobrecarregadas! É o trabalho, é a carreira, são os estudos. Temos que pensar ainda em casa, em se alimentar bem. Tem que pensar no parceiro ou parceria de vida, nos filhos, no gato, cachorro, papagaio e periquito. Quem disse que a gente tem que dar conta de tudo? Por que a gente se cobra tanto para dar conta de tudo, sem parar e sem reclamar. Ter um tempo pra gente importa. E como!

Vai meditar, relaxar de algum jeito. Saia para dançar. Se jogue num parque e fique olhando para o nada. Encontre as amigas para dar risada e jogar conversa fora. Falar merda areja a alma, já diziam por aí. Beba vinho. A qualquer momento, beba vinho. Busque algo que faça tua mente descansar. Algumas vezes, vai ser cansando o corpo que a gente vai conseguir relaxar. Faça luta, academia, natação. Encontre algo que te faça bem. E, como disse minha nutricionista (Vivi maravilhosa), não vai colocar algo na tua rotina que vire uma obrigação, que seja mais um compromisso.

Eu, por exemplo, nunca achei que gostaria de praticar yoga e estou amando. É uma vez na semana só, mas é o necessário para reaprender a respirar e olhar mais para mim e para o meu corpo. Fazer terapia pode ajudar também, mas é importante encontrar a que te ajuda mais. Eu conheci há pouco a bioenergética e descobri que grande parte da minha exaustão era porque eu não me permitia dizer estar cansada, estar triste ou 'P da vida'. A ideia de sempre parecer bem, sempre conseguir superar tudo, sempre ser incrível (pauta do outro dia), me esgotava e ainda me esgota. É um exercício diário, me libertar de alguns hábitos e pensamentos. Mas eu sei que é supernecessário e não importa os obstáculos que queiram colocar no caminho, ando batendo no peito e exigindo esse tempo porque deste tempo para mim depende a minha saúde física, mental e, principalmente, emocional. Quem vem junto comigo?

Autor
Jornalista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Marketing e mestre em Comunicação - e futura relações-públicas. Possui experiência em assessoria de imprensa, comunicação corporativa, produção de conteúdo e relacionamento. Apaixonada por Marketing de Influência. Atualmente, é gestora de Relacionamento com o Mercado do Share. Também integra a diretoria da ABRP RS/SC e é professora visitante na Unisinos e no Senac RS.

Comentários