Ando meio desligada

Esta jornalista passa por aqui para dizer que ficou tão desligada das discussões da vida e do mercado nos últimos dias que não sabe sobre o que falar com vocês. Até eu estou achando estranho não ter sobre o que escrever, mas algumas vezes dar um pause é necessário mesmo estando com o celular nas mãos e postando de vez em quando nas redes sociais. E olha que teve Baile da Vogue, Planeta Atlântida, Super Bowl e otras cositas más pelo meio do caminho. Então, farei apenas alguns insights por aqui, já que não me aprofundei em nenhum desses assuntos direito. Não fiquem decepcionados comigo, please! Juro que tudo vai melhorar na próxima semana. <3

Para começar: na quinta-feira, 1º de fevereiro, véspera de feriado em Porto Alegre, aconteceu o já tradicional Baile da Vogue, em São Paulo reunindo celebridades das mais variadas e influenciadores digitais. Sim, o GNT que estava passando o red carpet do evento creditou algumas pessoas assim. O tema do baile de Carnaval foi "Divino, Maravilhoso". Nada muito específico, então os vestidos/fantasias poderiam ser os mais diversos possíveis. Tinha desde vestidos longos mais simples, lembrando que é considerado um evento de gala, até a mulher do cantor Latino vestida de Eva. Claro que o auê maior foi ao redor de Jojo Toddynho e Pablo Vittar, que estão na boca do povo. Se não souber quem são, dê um Google, como diria Dado Schneider. E das maravilhosas Juliana Paes, Marina Ruy Barbosa e Sabrina Sato, que sempre chega atrasada na festinha e causa um furor incrível.

O que teve de polêmica e poderia render pano pra manga foram algumas fantasias, as quais alguns diziam ser uma homenagem, mas, na verdade, eram de muito mau gosto. A blogueira Tata Estaniecki (confesso que não fazia ideia de quem era), que usava uma roupa incrível do estilista Samuel Cirnansck com adereço de cabeça que, segundo o criador, era inspirado nas melindrosas dos anos 1920, respondeu nas redes sociais que sua fantasia era uma homenagem aos escravos. Não consegui ler tudo, mas o rolo parece que foi grande já que ela foi para suas redes sociais explicar o que ocorreu algumas vezes. Ah! E ainda teve criatura de black face para caracterizar o que seria uma fantasia de funkeiro. Em 2016, o Baile da Vogue teve como tema Pop África e gerou muitas discussões sobre apropriação cultural. Neste ano, como podemos notar, não foi muito diferente.

No meio do caminho: na sexta-feira pela manhã, parti para o litoral gaúcho, mais precisamente para Torres, para dar uma equilibrada na energia, já que os primeiros 15 dias de volta das férias foram quase tão intensos quanto os últimos dias do ano. E feriadão na praia quase sempre é: coloca o biquíni de manhã, só tira no fim do dia e carrega alguma peça de roupa pra colocar por cima caso vá direto almoçar ou algo do tipo. Eu estava com algumas amigas zanzando de lá para cá, sempre caminhando só de biquíni, e perto de uma obra que estava a pleno vapor, duas delas que caminhavam na minha frente, colocaram o vestido e a canga para tapar a bunda ao passar por ali. Foi muito automático o movimento e, para mim, foi extremamente sintomático. Estamos tão acostumadas a nos tapar para não sermos assediadas, e, consequentemente, constrangidas, que nos vestimos de forma involuntária. Nada aconteceu, ninguém falou nada para a gente, mas fiquei com isso em mente. Até quando, hein?

Para encerrar: neste domingo aconteceu mais uma edição do Super Bowl, com show de Justin Timberlake no intervalo. Para quem não está por dentro, este é um dos eventos mais esperados pelos norte-americanos e, claro, pelas marcas. Tem o intervalo comercial mais caro do mundo. O anúncio de Timberlake como atração da 52ª edição, trouxe à tona nas redes sociais um buzz em função da participação dele como convidado especial no Super Bowl em 2004, no show de Janet Jackson. Na época, durante o halftime que é transmitido ao vivo, o seio da cantora foi exposto por um momento. O incidente, que ficou conhecido como Nipplegate, foi e é amplamente discutido, principalmente, porque alguns defendem que o episódio prejudicou a carreira de Jackson, mas ajudou a alavancar a de Timberlake. Alguns dizem ter sido uma "nudez acidental", outros que foi combinado e outros, ainda, defendem que o cantor fez de propósito para expor a moça. Não consegui ver o show desta vez porque estava bem bela sem TV na praia, mas acho que o pode ficar para a reflexão é que: Justin Timberlake voltou ao Super Bowl para fazer outro show e por onde anda mesmo Janet Jackson?

Para quem não tinha muito o que escrever, até que escrevi bastante, né? Imagina se eu não andasse meio desligada?

Autor
Jornalista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Marketing e mestre em Comunicação - e futura relações públicas. Há 15 anos, atua em assessoria de imprensa, comunicação corporativa, produção de conteúdo e relacionamento. Possui experiência no atendimento de clientes, públicos e privados, das áreas de educação, moda, gastronomia, entretenimento, música, varejo, construção civil, setor moveleiro, automobilístico e instituições financeiras. Tem passagens pela Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, e, na área cultural, fez a divulgação de mais de 30 shows nacionais e internacionais na capital gaúcha. Atualmente, é Gerente de Atendimento na CDN Sul e integra a diretoria da ABRP RS/SC.

Comentários