Fazer parte é bom demais

Melhor do que escrever histórias, é construir histórias. É ser participante do futuro que está sendo planejando no presente. É se sentir desafiado em …

Melhor do que escrever histórias, é construir histórias. É ser participante do futuro que está sendo planejando no presente. É se sentir desafiado em entender o novo - para depois saber explicar exatamente o que é, como e por que foi feito. É vender o peixe que realmente foi pescado, que exigiu paciência, domínio da arte, atenção aos detalhes, jogo de cintura e timing.
Trabalhar com comunicação tem esses presentes. Por vezes cansativos, exaustivos, demorados, mas na maioria das vezes, construtivos, agregadores e que somam em diferentes aspectos. Somos parte e isso é fantástico. Em projetos, inovações e criações, que envolvem diferentes áreas, conhecemos um pouco mais de direito, de economia, de gestão de pessoas, de política e tantas outras matérias importantes pra vida - pessoal e profissional. São nessas horas que ouvimos a opinião do outro com respeito, que sugerimos sem medo, que apontamos as eventuais falhas, que comemoramos cada item finalizado (mesmo que ele tenha sido revisado inúmeras vezes, cada ponto final é motivo de comemoração).
Minha gratidão por ser partícipe de situações como essas. Talvez não seja percebida, mas ela é enorme. Deitar a cabeça no travesseiro e pensar que, de alguma forma, contribuí para algo que possa se tornar significativo para tanta gente, só reforça a certeza que fiz a escolha certa.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM, e com MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada, pela Cândido Mendes. É a responsável pela Comunicação Social do IPE, da Sociedade de Cardiologia do RS (Socergs) e da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV). Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários