O privilégio e a alegria de trabalhar com quem se admira

Por Grazi Araujo

Fui pega de surpresa quando um colega me confessou que foi diretamente influenciado por um post meu no stories (sorry, virei digital influencer, me aguentem!). Na publicação, sem pretensão alguma, expus o quanto eu sou grata por trabalhar com alguém que eu respeito e admiro, além do amor à minha vocação. São aquelas lembranças que, ao final de um dia daqueles que o trabalho rende - e cansa -, a gente para por alguns segundos e agradece. Não há sensação melhor do que gratidão. É um misto de confiança, admiração, segurança, oportunidade e constante aprendizado.

Eu já escrevi em diferentes situações sobre a sorte e a benção de ter bons líderes. É porque eles realmente inspiram. E fiquei muito feliz em saber que ao compartilhar depoimentos reais, inspirei outra pessoa.

A maioria de nós trabalha porque precisa trabalhar, é fato. Os boletos chegam no final do mês e costumam vencer até o dia 10 do mês seguinte. Muitos profissionais cumprem a rotina, o combinado, as atividades descritas no contrato. Ok, não há problema algum nisso. Outros se doam de tal forma que o trabalho torna-se a prioridade. São escolhas. Tem os que conseguem equilibrar a dedicação a cada turno do dia, se dividindo em diferentes e importantes papéis. Cada um tem o seu perfil, a sua batalha e os seus compromissos. Tudo fica melhor, mais leve e mais alegre se for feito com amor e com verdade. Quando bate a dúvida sobre a satisfação de estar ou não onde se está, chegou a hora de refletir e traçar novos desafios.

É necessário acreditar. No que a gente faz, para quem a gente faz, como a gente faz. Assessores de imprensa, particularmente, são olhos e ouvidos dos assessorados. Precisamos entender, compreender e saber passar a mensagem. Eu ainda não tive a experiência de trabalhar com algo ou com alguém que eu não me identificasse em pensamento. Ideologias, posições e preferências são pessoais, mas na relação assessor e assessorado, elas acabam se misturando, naturalmente. E não há problema algum nisso, é do ofício.

A velha máxima do "escolha um trabalho que você ame e você nunca terá que trabalhar um dia em sua vida" é uma das afirmações mais sábias e verdadeiras. Temos que manter o brilho no olho, a inspiração na ponta dos dedos, a mente arejada. Vejo como um privilégio estar onde se quer, com quem se quer e fazendo o que se sabe. Não pode ser um sacrifício. Se for, agradeça a oportunidade e vá em busca do que te faz feliz. Não há melhor sensação do que chegar no final de um dia de trabalho, olhar para o céu e agradecer.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM, e com MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada, pela Cândido Mendes. Atualmente é chefe de Comunicação Social na Casa Civil do Rio Grande do Sul. Também responde pela Comunicação Social da Sociedade de Cardiologia do RS (Socergs) e da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV). Tem o site www.graziaraujo.com.

Comments