Quem sabe faz a hora e faz acontecer

Para muita gente fazer estágio é uma oportunidade de vida e de criar relações para o futuro. É aquela época em que se aprende …

Para muita gente fazer estágio é uma oportunidade de vida e de criar relações para o futuro. É aquela época em que se aprende uma infinidade de coisas novas, entre elas, responsabilidade e comprometimento. De carona, palavras como horário, respeito, humildade, ambição, pressão, chance e dedicação - entre tantas outras -, vêm para agregar.
Ainda é tempo de ser imaturo, a idade permite este tipo de comportamento. Mas também é tempo de ouvir quem tem mais experiência e quem já esteve um dia ocupando um lugar semelhante - e sabe da importância disto. Aproveitar as oportunidades é uma das formas mais inteligentes para quem ocupa ou almeja um cargo destes.
Será que falta interesse? Se os líderes sabem da importância desta fase? Do quando o estagiário está disposto a aprender? Não dá para ensinar, desde cedo, por exemplo, a ter preguiça ou a dar um jeitinho. O exemplo de quem está ali, servindo como base para quem está aprendendo, precisa ser positivo no sentido literal. Todos têm seus momentos de malandragem e de atalhos, mas muitos outros de dedicação e efetividade.
Tem gente que tem a necessidade - ou o interesse (leia-se aprendizado, grana, ocupação, etc) - de trabalhar desde o Ensino Médio. Eu não tive esta experiência, mas tenho a oportunidade de acompanhar quem está tendo. Este é o momento que se pode ter uma oportunidade de descobrir o que fazer no futuro. Dúvidas como essas são cada vez mais comum, assim como o leque de possibilidades.
Quando o estágio é de nível superior, é o tempo de visar um cargo efetivo, seja onde estagia ou por indicação. Recomendação não é tudo nessa vida, mas que ajuda, ajuda. Lembro até hoje dos meus estágios, essenciais na minha formação profissional, tanto em relacionamentos que foram transformados em amizade, como aqueles que se tornaram de admiração e respeito, mesmo sem convívio atual. Abro um sorriso no rosto quando encontro velhos colegas - ou mais experientes ou que são de gerações mais novas - com os quais pude compartilhar todas estas trocas tão bacanas. E sentir a reciprocidade deste reconhecimento, talvez por, modéstia parte, ter me dedicado para o que fazia.
A hora é esta. O momento é agora. O tempo voa.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM, e com MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada, pela Cândido Mendes. É a responsável pela Comunicação Social do IPE, da Sociedade de Cardiologia do RS (Socergs) e da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV). Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários