Notícias de mercado da comunicação do RS.

Home Especiais COLETIVA DEBATES - ACADEMIA 2017 Perfis de profissionais também são discutidos por debatedoras

Perfis de profissionais também são discutidos por debatedoras

Andressa Giongo defendeu diálogo entre gerações distintas, enquanto Manoela acredita que diferença exista nas pessoas e não na periodicidade de nascimento
Compartilhar
,

Crédito: Maicon Hinrichsen/Coletiva.net

Os perfis de profissionais na área da Comunicação Social também foram abordados pelas debatedoras. A gerente-executiva de Gestão de Pessoas do Grupo RBS, Andressa Giongo, afirmou que, a exemplo de um executivo da IBM, que fazia questão de ter um estagiário por ano próximo a ele, as gerações precisam dialogar e conviver em harmonia. “É preciso não perder as referências e valorizar o que cada uma pode oferecer”, opinou, garantindo que a base desse vínculo é respeito e colaboração mútua. Também defendeu que as organizações façam uma leitura da personalidade dos colaboradores para melhor gerenciá-los.

Em contraponto, a professora da Escola de Humanidades da PUC Manoela Ziebell não enxerga as gerações como diferentes, mas as pessoas. Com um breve exercício, fez com que o público presente no auditório do Tecnopuc compreendesse seu raciocínio: “Um indivíduo que usa todas as redes sociais que estão ao seu alcance, que se irrita quando a internet não acompanha as agilidades de sua rotina, que fala diariamente com amigos próximos ou mais distantes. A qual geração esta pessoa pertence?”. Após a provocação, contou que as características dizem respeito a sua avó, de 97 anos, falecida há poucos meses. Acrescentou que qualquer pessoa, hoje, se encaixaria neste perfil, porque não é a periodicidade de nascimento que importa, mas o comportamento e as experiências as quais ela é submetida.

Trazendo o ponto de vista dos universitários, a estudante de Jornalismo da Uniritter Shállon Teobaldo assegurou que não é fácil para as empresas fazerem com que gerações distintas convivam juntas e em sintonia. “É uma troca muito valiosa, pois ambos temos o que ensinar. Acho que o intercâmbio de experiências é fundamental.”  Ela complementou que os professores deveriam ter experiências práticas com as quais lecionam: “Um professor que ensina técnicas de Jornalismo, mas nunca colocou o pé na lama para entrevistar alguém, não deveria ensinar isso. Sem nunca ter ido para rua, como pode ensinar a fazê-lo?”.