Miltinho Talaveira: Um convidado vip

Ele é presença garantida nas badalações da capital gaúcha e nos eventos de moda nacionais, não perde uma polêmica e seu grande desafio profissional é apresentar um programa de TV.

Miltinho Talaveira - Divulgação

Miltinho Talaveira, porto-alegrense, 42 anos, está à frente do Departamento de Moda e Estilo da Paim e é responsável por análises quase antropológicas sobre os segmentos para os quais estão voltados os clientes da agência. Através de pesquisas de campo, coleta informações sobre comportamento, cultura e estética dos mais diversos públicos, além das novidades, sempre atualizadas, sobre as personalidades públicas e os eventos de Porto Alegre. Os dados são repassados para as áreas de criação e atendimento e servem de matéria-prima para o desenvolvimento de campanhas. Para isso, o publicitário transformou-se em uma espécie de radar: sempre conectado à internet, informado dos últimos acontecimentos e presente em badalações.

Miltinho ingressou na vida acadêmica em 1982, com 21 anos, no curso de Publicidade e Propaganda da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Juntamente com a faculdade, deu início ao trabalho no Banrisul, seu primeiro emprego, fruto de um "pistolão conseguido por uma tia", conta. Lá, permaneceu até o ano de 1987, onde "ganhava 19 salários por ano e gastava tudo no Shopping Iguatemi". Após dois anos em São Leopoldo, conseguiu transferência para a Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUC-RS, em Porto Alegre, onde formou-se em 1992. Antes de concluir a graduação, chegou a estagiar na área de mídia da extinta agência Standard, que pertencia ao grupo Ogilvy.

Satisfeita com o trabalho do então estudante, a equipe da Standard o contratou temporariamente, enquanto não surgia uma vaga, como secretário. "Eu atendia  o telefone, anotava os recados e até servia cafezinho", relembra Miltinho. Enquanto isso, era treinado para ser assistente de Atendimento, cargo que acabou assumindo após quatro meses e, com o tempo, tornou-se executivo de contas. Permaneceu na empresa de 1987 a 1994. Depois ficou quatro anos na Competence, tendo uma "passagem meteórica" pela blanke, agência de Novo Hamburgo que havia se instalado na Capital e acabou não obtendo sucesso. De 1999 a 2000, integrou o departamento de Atendimento, em fase de construção, da Dez Propaganda e acabou descobrindo que "não estava feliz com aquele trabalho e que poderia render muito mais em outras áreas".

No mundo dos eventos

"Foi aí que o mundo da produção e da comunicação surgiu na minha vida", relata. Ele cita os nomes de Mauren Motta, Fernanda Zaffari e Roger Lerina, entre outros, para exemplificar os novos amigos e parceiros profissionais com quem teve contato na época. "Fomos nos conhecendo na noite, na faculdade, por intermédio de outras pessoas e eu fui conseguindo novos trabalhos."

Ainda em 2000 tornou-se executivo comercial da rádio Atlântida FM, atividade que executou até 2002. A oportunidade surgiu depois que Miltinho assumiu a produção do programa "Gentalha", que falava dos bastidores das festas na casa noturna Dado Bier, a maior da cidade na época. A atração teve origem no programa Dado TV, exibido pelo Canal 20, cuja produção também passou a ser feita por Miltinho. Então se sucederam "bicos, picaretagens e free lancers", como define o publicitário.

Paralelamente às novas empreitadas, continuou freqüentando festas e coquetéis. "Como ninguém das rádios comparecia aos eventos e tínhamos pilhas de convites, eu passei a fazer isso", conta. No dia seguinte aos eventos, ele apresentava uma cobertura informal na 102 FM. Assim, foi se tornando conhecido ? através do rádio e não da publicidade ? por assessorias de imprensa, representantes de gravadoras e promoters. A Escala, atenta às investidas de Miltinho, o convidou para fazer parte de um novo departamento da agência, o de Marketing e Comunicação. Segundo o publicitário, ele foi escolhido porque conhecia bem a rotina de uma agência, tinha bons contatos com a imprensa e disposição para organizar e comparecer a eventos. Nele, a Escala encontrou o profissional "três em um" que procurava e que passou a ser responsável pelo marketing interno, pela assessoria de imprensa e pelas ações de RRPP.

Durante a atuação na Escala, ele criou um grupo de e-mails a partir do mailing da agência e dos endereços de seus amigos. Entre eles, parentes, artistas, publicitários e "gente da noite". A idéia era distribuir convites e comentários sobre as badalações das quais participava. A brincadeira resultou em um novo mailing que, hoje, conta com aproximadamente 600 pessoas que foram se interessando pelos relatos de Miltinho. E foi justamente um texto sobre o Planeta Atlântida de 2004, enviado por e-mail através da lista, que lhe rendeu uma nova proposta de trabalho: prestar consultoria de moda e estilo para a Paim. "Eu topei na hora. Trabalhar com informação e comportamento era tudo o que eu queria", fala entusiasmado. Em março do mesmo ano, foi inaugurado o Departamento de Moda e Estilo, que era novo para a agência, para ele e para os clientes, mas que vem dando certo até hoje, segundo seu relato. "O que eu fazia na Escala eu estou fazendo aqui, com o plus da área de moda, que eu adoro", esclarece.

Ambicioso e polêmico

Fascinado pelo trabalho na televisão, atualmente ele também participa do programa Câmera 2, da TV Guaíba, apresentado por Clóvis Duarte, onde é comentarista de moda e comportamento e, claro, fala da vida social na capital gaúcha. Não bastassem tantas atividades, o publicitário ainda escreve para o site das jornalistas e consultoras de moda Patrícia Parenza e Patrícia Pontalti, e é consultor de moda free lancer. De tanto freqüentar festas, em alguns momentos, junto com a Patrícia Leivas, ele organiza áreas vips das festas rave Fulltronic, e da casa de música eletrônica Spin.

Embora já tenha passado pelas mais diversas experiências no mercado de trabalho, o publicitário diz ainda ter um grande desafio pela frente: ter um programa de TV. "Sempre tive essa ambição e acho que agora estou mais perto de realizar esse sonho", enfatiza. A atração deve levar aos telespectadores dicas de moda, tendências e assuntos relativos a comportamento através de reportagens, entrevistas e a interatividade com o público. Miltinho define a futura atração como um misto de Saia Justa (GNT) com informações de moda, algo que sugira uma "moda pop, que não seja elitista nem brega". E descontrai ao comparar-se a Netinho de Paula e intitular-se fada madrinha, descrevendo um quadro onde faria as famosas transformações. Irreverente e provocador de polêmicas, ele parece estar no caminho certo para atingir suas metas. A campanha criada por ele no verão passado, a "glamurização do litoral gaúcho", acaba de ser resgatada na alta temporada de 2006 e vem ganhando uma boa repercussão.

Preocupado em aliviar o ritmo profissional, acalmar a ansiedade e organizar a rotina, o publicitário encontrou na terapia uma solução. Há dez anos, encontra-se periodicamente ? pelo menos uma vez por semana ? com sua psicóloga, Suzana Abreu. "Ela é quase uma segunda mãe, minha orientadora", assinala. Apesar de freqüentar o meio dos "colunáveis", onde há muita bajulação e egos inflados, ele garante que sua maior qualidade é ser autêntico e franco. "E é também meu maior defeito, porque muita gente não gosta de ouvir a verdade", alerta. 

Figurante na tevê

Mora com a mãe, Eloísa Talaveira, 63, a quem chama de "Dona Miltinha". Sua casa fica no bairro IAPI, onde ele nasceu. "Não pretendo sair de lá, gosto muito daquele lugar", exalta. Filho mais velho de Antônio Carlos Talaveira, que faleceu quando ele tinha 14 anos, foi o segundo pai de seus três irmãos, Ricardo, Adriana e Humberto. Mesmo viajando bastante a trabalho para cobrir eventos de moda, ele reserva tempo para a família, especialmente com os seus dois sobrinhos, Matheus Talaveira Piva e Bruno Pires Talaveira, ambos de nove anos. "Gosto de levar informação e novidades para eles, embalagens de novos produtos, desenhos animados inéditos, lançamentos", conta. Os sobrinhos parecem estar agradecidos, principalmente Matheus, que costuma dizer que o tio "transa modas".

É noveleiro. Os episódios que não consegue assistir ao vivo, grava com o vídeocassete. Sua maior realização foi ter feito uma ponta, como figurante, na novela Celebridade, exibida pela Rede Globo em 2004. Sua aparição se deu no fictício Espaço Fama, ao lado do cantor Otto e da percussionista Elaine Moreira, conhecida como Lan Lan, assistindo ao show da cantora Ana Carolina. A chance surgiu quando ele conheceu a figurinista Marília Carneiro, que estava no Rio Grande do Sul para as gravações da minissérie A Casa das Sete Mulheres. Passado algum tempo, Miltinho viajou para o Rio de Janeiro e, em visita ao Projac, acabou participando dos bastidores da novela com um empurrãozinho da nova amiga. Como não poderia deixar de ser, a notícia foi transmitida para todos os integrantes de seu mailing.

Outro troféu exibido pelo publicitário é a sua atuação como jurado na última edição do concurso Miss Rio Grande do Sul, para o qual ele mesmo se convidou entrando em contato com a Band. Longe de achar a competição brega ou ultrapassada, ele afirma ter se divertido e observado as atitudes das misses, de suas mães, torcidas e cabeleireiros. "Agora estou a um passo do Miss Brasil, nem que seja como espectador", ironiza. De todas as loucuras e desejos extravagantes, falta ainda para Miltinho assistir ao carnaval carioca, como convidado, no camarote da Brahma, na Sapucaí. E ele projeta: "Talvez seja neste ano!". Sua condição de vip é rotineira em Porto Alegre, mas não no eixo Rio-São Paulo. "Aqui eu consigo convites, nunca recebo um não. Em outros Estados eu sofro porque sou só mais um", lamenta.

Nas festas, eventos, coquetéis ou nos espetáculos, Miltinho nunca está só, leva sempre amigos e conhecidos. "Preciso de mais ou menos oito ou dez pessoas. Qual a graça de sair sozinho?", questiona, contabilizando os convites que distribui. Em média, são três festas por semana, já que "sempre tem alguma coisa acontecendo". Quanto aos relacionamentos amorosos, o publicitário diz não ter nenhum em vista e assegura que não consegue namorar sério em função de sua popularidade e de sua maneira muito ativa de levar a vida. Define-se como um solteiro por vocação. "Eu não sou de um, sou de vários", argumenta.

As roupas de Miltinho também dão o que falar. Ainda que não possua um guarda-roupas com criações de estilistas famosos e diga não preocupar-se com isso, tem um estilo próprio que chama a atenção. "Gosto de coisas diferentes e sou de fases. Às vezes ouso, inovo", fala. Sua grande vantagem é trabalhar no ambiente publicitário, "que permite que cada um se vista da maneira como quer". Suas marcas preferidas são a Cavalera, a Zoomp, a Ellus e a Triton. Sua tara são os óculos escuros, nos quais investe em grifes. "Minha última aquisição é um Marc Jacobs", comemora. Exigente com a moda, diz que, em alguns momentos, aciona o "departamento de equívoco" e tem vontade de "deletar algumas pessoas bregas". Entretanto, não se sente um "justiceiro capaz de classificar os bem e os mal vestidos".

Comentários