Falsas noções marinhas

Por Fraga

 

Salvem as balelas. (Luis Fernando Verissimo)

 

Dos seres com nadadeiras, a baleia franca, aquela espécie que vem parir na orla catarinense porque ali estão as melhores maternidades marítimas do SUS, é dos animais mais admirados. Um tanto pelos exemplares hábitos maternais (recusa-se a amamentar os filhotes com leite em pó ou permitir que a prole frequente parques aquáticos) e o restante pela reconhecida franqueza do seu canto nas profundezas.

É mesmo um prodígio de apego à verdade. Nunca houve registro de qualquer mentira emitida por uma baleia franca, algo notável porque ainda nem inventaram aparelhos com essa finalidade. O que importa é que entre as baleias francas rola um grau de confiança raro sob a superfície do mar. Daí a ausência de divórcio entre elas, e a consequente procriação anual à vista dos turistas gaúchos e argentinos nas praias de Imbituba e arredores.

E por conta do contraste com a famosa sinceridade das baleias francas, ocorre um preconceito oceânico: uma contraparente delas tem sido bastante hostilizada pelos observadores. É o caso da baleia hipócrita. Embora seja de fato o mamífero mais falso dos oceanos, a baleia hipócrita é inofensiva. Como comprovam estudos pouco divulgados, seus boatos não contêm maledicência alguma. Por isso jamais houve baleia hipócrita processada por calúnia ou difamação.

Já a baleia jubarte, essa é uma das maiores bajuladoras dos sete mares e ninguém comenta nada delas. Bajulação, todos os cetáceos sabem, é uma das consagradas formas da falsidade interesseira. No entanto, não causam repulsa. Também as baleias brancas e as baleias azuis, linguarudas à beça, guincham por todas as correntes marinhas imunes a críticas. São dois tipos de baleias que disfarçam tão bem a falta de ética que circulam protegidas da extinção.

Quanto à orca, a baleia assassina, essa pratica seu morticínio em completo mutismo. Assim, paira a eterna dúvida sobre as orcas sanguinárias: seriam elas da família das baleias francas ou das baleias hipócritas? Sem pronunciar uma ofensa ou infâmia enquanto consumam atos criminosos, as orcas não podem ser rotuladas disso ou daquilo. Por isso, mesmo em adiantado estado de gestação, são rejeitadas pelo SUS para partos nas praias do sul.

Enfim, é por causa da reputação moral das baleias francas que muitas outras espécies de baleias vêm morrer de inveja nas costas brasileiras. Francamente!

 

Autor
Fraga. Jornalista e humorista, editor de antologias e curador de exposições de humor. Colunista do jornal Extra Classe.

Comments