O que é ser incrível?

A primeira coisa que faço quase todos os dias da semana, incluindo sábado e domingo, é dar uma revisitada naquelas lembranças do Facebook, sabem? Dar uma olhada em como eu pensava, o que eu postava, o que eu compartilhava e, se tem uma coisa que acho fundamental neste processo, é enxergar a evolução no meu autoconhecimento. Nunca foi algo fácil e é um movimento constante, quando uma ponta se esgota, a gente tenta encontrar outra para continuar evoluindo.

Mas entre as lembranças do último domingo, estava uma imagem que foi postada no Instagram do Jogo de Damas (sim, ele de novo por aqui), em 2015, com a frase 'I'm not here to be average, I'm here to be awesome'. E ela também trazia um texto com sete lições básicas para não ser 'mediana', e sim, incrível, e quero compartilhar essas dicas aqui com vocês também porque elas valem para qualquer momento da vida:

  1. Se você se dispõe a fazer algo, busque o seu melhor. Fazer só por fazer contribui para a desvalorização de outros profissionais;
  2. Seja humilde com suas limitações. Saber o que não fazemos bem é um importante passo para sermos melhores profissionais;
  3. Respeite, admire e aprenda com quem começou antes e/ou com quem já está estabelecido. Nem tudo ou todos são competidores;
  4. Busque ser coerente na sua vida profissional (e pessoal também). Isso envolve contratação de fornecedores, relações com concorrentes, cultura e valores da sua empresa. É difícil e é um exercício diário, mas garanto que não existe melhor equilíbrio do que praticar aquilo que a gente acredita;
  5. Estabeleça parcerias sérias. Sim! Vida profissional pode (e deve) ser também divertida, mas nossa responsabilidade é enorme e é fundamental trabalhar com pessoas e empresas que tenham credibilidade, reconhecimento e seriedade no que fazem;
  6. Entenda o todo. Busque conhecimentos de áreas correlatas! Isso melhora seu negócio, amplia possibilidades e serve de aprendizado constante. Não se feche no seu mundinho! Pense fora da caixa;
  7. Considere o papel social do seu negócio! Você está inserido num macro sistema econômico, político, social e cultural. Suas ações são conscientes em relação ao legado que você deixa? Você percebe sua influência no todo? Fique ligada!

Depois de reler todos esses pontos, fiquei me perguntando se isso seria suficiente para ser uma mulher incrível. Tenho quase certeza de que a resposta é não, já que envolve uma área apenas da nossa vida. E por que a gente se cobra tanto para ser incrível? Aí fiz um link com a matéria que saiu no outro domingo na Revista Donna (sim, leio tudo atrasado mesmo) sobre a síndrome da impostora e como ela afeta as mulheres. Acredito que cada uma de nós já passou por algum momento na vida profissional e que tenha se sentido uma fraude. Ou se não se deu conta disso, já viu alguma amiga maravilhosa achar isso! E por mais que a gente fale e tente se convencer, parece que a gente nunca vai chegar lá. Mas chegar lá é onde a gente quer ou é onde as pessoas esperam que a gente chegue? Já cansamos de escutar que o mundo está cheio de pessoas nota sete, que temos que estar acima disso o tempo todo que só assim atingiremos nossos objetivos. Quem disse? 

Quase sempre a gente sofre uma cobrança árdua sem ao menos saber o porquê, sem ao menos as pessoas nos perguntarem aonde a gente quer chegar. Quem sabe eu só quero ir até ali na esquina e me manter na média me basta. Talvez eu não queira ser incrível, porque o caminho para chegar lá muitas vezes cansa e dá vontade de desistir. E o que é ser incrível? É uma coisa para mim, é algo diferente para ti, para tua colega do lado, para a amiga de infância. O destino final importa? Claro que importa, mas é importante lembrar que para chegar até lá, o caminho e as pessoas que a gente encontra nele são essenciais e nos dão o fôlego (e muitas vezes o colo e o abraço) necessário para poder alcançar nossos sonhos. E sabe o que eu descobri nesses últimos anos sobre ser incrível? Que basta nos conhecermos melhor e acreditarmos uma nas outras e no nosso potencial, que tudo fica incrível, não só a gente! <3

Autor
Jornalista, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, especialista em Marketing e mestre em Comunicação - e futura relações públicas. Há 15 anos, atua em assessoria de imprensa, comunicação corporativa, produção de conteúdo e relacionamento. Possui experiência no atendimento de clientes, públicos e privados, das áreas de educação, moda, gastronomia, entretenimento, música, varejo, construção civil, setor moveleiro, automobilístico e instituições financeiras. Tem passagens pela Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul, e, na área cultural, fez a divulgação de mais de 30 shows nacionais e internacionais na capital gaúcha. Atualmente, é Gerente de Atendimento na CDN Sul e integra a diretoria da ABRP RS/SC.

Comentários