Férias financeiras

Por Fraga

Todo ano é a mesma coisa: meu dinheiro reclama que não o levo a lugares interessantes nas férias.

Isso depois de alegar que passa 12 meses sem se divertir comigo. Como se divertem, acentua ele, seus parentes mais afortunados - o money dos ricos, dos milionários e biliardários.

Sempre explico ao meu pobre dinheiro: essas famílias monetárias são umas aquinhonhadas. Eu é que ainda não consegui meu quinhão, a moeda corrente dos esperançosos e sonhadores.

Meu revoltado dinheiro não me ouve. Apenas retruca:

- Por que não passamos férias onde qualquer dinheirinho se sente mais endinheirado?! Por que dessa vez não vamos para um Paraíso Fiscal?

 

Tento desanimar as cédulas graúdas e as notas miúdas, agitadas na velha carteira:

- Vocês enlouqueceram? Os paraísos fiscais são locais cheios de fiscais em pleno gozo das suas férias! Gente que superfaturou orçamentos exaustivamente. Que incansavelmente desviou verbas públicas, entre outros que querem descansar da extenuante rotina de falcatruas no Brasil.

 

- Pois então, Fraga, vamos lá nos misturar a essa turma festiva. Essa dinheirama é que sabe viver!

 

Até minhas moedas no bolso das bermudas tilintam alto:

- Vamo, vamo!

 

- Peraí, vocês iriam se sentir deslocados: eles vão pro éden financeiro pra esbanjar saldos gigantescos. Como dinheiro de origem honesta, vocês, merrecas, passariam vergonha no meio deles. E, nessa nababesca farra, vocês iam acabar logo!

 

- Foda-se a honestidade! Ela não sabe aproveitar a vida! Podemos nos infiltrar em meio à grana da roubalheira. Nem vão perceber que viemos da sua aposentadoria e de frilas!

 

Meu modesto dinheiro endoidece a cada fevereiro. Quer porque quer um veraneio em mar verde de dólares. E o pior é que meu orçamento também é um agitador sacana. Faz discurso alarmante às minhas economias de um ano inteiro:

 

- Juros da poupança, vamos gastar nossos valores enquanto valem! Com a nova equipe econômica, ninguém sabe que arrocho virá. Nem quando os fundos de reserva e os fundos de pensão afundarão. Pqp!

Meu dinheiro é capaz de me abandonar numa praia de SC.

 

 

Autor
Fraga. Jornalista e humorista, editor de antologias e curador de exposições de humor. Colunista do jornal Extra Classe.

Comments