Sindjors levará proposta da patronal para assembleia

Reunião com a categoria ficou marcada para a manhã deste sábado, na sede da entidade

 

Duas horas foi o tempo que os representantes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul e dos sindicatos das Empresas de Rádio e Televisão e das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas do Estado levaram para chegar a um consenso sobre cláusulas que ainda estão em negociação do acordo coletivo 2018/2019. Em uma conversa mediada pelo desembargador Ricardo Carvalho Fraga e pela procuradora do Ministério Público do Trabalho, Beatriz Fialho, Milton Simas (Sindjors), Christina Gadret (Sindirádio) e André Luis Jungblut (Sindijore), acompanhados de seus respectivos advogados, chegaram a um acordo que, agora, será levado para Assembleia Geral com a categoria, às 10h da manhã deste sábado, 1º de dezembro, na sede do Sindjors.

Ao longo da tarde desta segunda-feira, 26, os presentes na reunião - acompanhada in loco por Coletiva.net - debateram especialmente questões econômicas e auxílio-creche, visto que as demais cláusulas da negociação coletiva já estavam acordadas. O benefício, que foi bastante discutido, terá um reajuste de 3%.

No que se refere ao salário, por sua vez, a patronal pagará, desde que aprovado pela categoria, um reajuste de 2% para todos os vencimentos, com exceção aos hipersuficientes - aqueles que recebem a partir de R$ 11 mil -, sendo 1,76% sobre os salários de julho de 2018 e 0,24% no mês de janeiro de 2019. Os valores referentes ao retroativo serão pagos também a partir de janeiro, parcelados em quatro vezes.

Caso os jornalistas acatarem a proposta na assembleia de sábado, o novo acordo será assinado na segunda-feira da próxima semana, em 3 de dezembro, quando foi marcada outra audiência, às 17h, no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), em Porto Alegre. Participaram da reunião, além dos já citados, cerca de 10 jornalistas, que acompanharam o encontro pelo lado do Sindjors. Estavam presentes profissionais dos grupos RBS e Record, da Fundação Piratini e da Rede Pampa.

Comments