Notícias de mercado da comunicação do RS.

Home Artigos Que tal falar de gentech?

Que tal falar de gentech?

Por José Roberto Securato Junior
Compartilhar
,

Podemos impactar nossos negócios com pequenos investimentos e grandes resultados aplicando tecnologia na gestão de pessoas

Fintechs estão na moda! São startups que usam soluções tecnológicas para problemas financeiros. São heróis, pois como Davi, desafiam os gigantes da indústria bancária global. Assim como as fintechs, há muitas outras empresas inovadoras aplicando soluções tecnológicas em problemas. Alguns mais próximos e mais reais daqueles problemas que as charmosas fintechs se propõem a resolver. Que tal falar de gentech, empresas que usam tecnologia aplicada na gestão de pessoas?

O Brasil é um dos países com menor produtividade por colaborador do mundo. A produtividade do trabalhador brasileiro equivale a 25% da produtividade do trabalhador americano, segundo a consultoria internacional Conference Board. Há vários fatores que contribuem para nossa ineficiência, inclusive alguns que não controlamos, como infraestrutura e burocracia. Podemos aumentar a eficiência do colaborador com treinamento e uma cultura organizacional forte. E há outros fatores, como a vontade do colaborador, que são subjetivos.

No entanto, podemos, sim, por meio das Gentechs, aumentar a produtividade dos nossos colabores usando tecnologia. Com a tecnologia a nosso favor, superamos fatores controláveis, incontroláveis e subjetivos. Não vamos multiplicar por quatro a produtividade do trabalhador brasileiro para chegar ao nível do americano, mas podemos impactar nossos negócios com pequenos investimentos e grandes resultados. É o que as sete gentechs abaixo, do programa IBEVARLab, oferecem aos seus clientes:

1) TrackerUp — Sistema de monitoramento de equipes externas

Tem como missão resolver os problemas e dificuldades encontrados nas relações de trabalho, nas quais empregado e empregador não ficam no mesmo ambiente, com baixo custo e de forma simples.

2) IForce — Programas de incentivo escaláveis (mobile incentive)

Por meio de uma plataforma social, full service, busca engajar a equipe, desenvolver o sentimento de evolução e a criação de objetivos.

3) Revex — Otimização de escalas de trabalho

É um software nas nuvens que permite gerar, gerenciar e visualizar escalas de trabalho de forma rápida e dentro da lei por meio da criação de um modelo matemático que identifica o número adequado de colaboradores para executar suas respectivas tarefas.

4) Invenis — Tecnologia de dados para escritórios e departamentos jurídicos de empresas

Oferece um serviço de alerta de litígios. Indique os nomes ou classes de ações (por exemplo, uma ação civil pública) a serem monitorados e em quais tribunais. Assim que um novo processo for ajuizado, você é alertado logo na distribuição, e, portanto, muito antes de sair no Diário Oficial.

5) Appus — People Analytics

Desenvolve soluções que aplicam tecnologia em processos de gestão de pessoas, tais como pesquisa de clima, avaliação de desempenho e avaliação contínua 360 graus. Utilizam técnicas de inteligência artificial e machine learning.

6) Solides — software de gestão comportamental de pessoas

Sugere ações estratégicas com base no que identifica de gaps e aprende de acordo com a cultura da empresa. O algoritmo principal é validado pela USP e pela UFMG com acuracidade superior a 97%.

7) Hirebot — Tecnologia de chatbots e inteligência artificial para recrutamento e seleção

Usa tecnologia de chatbots e inteligência artificial para tornar o processo de recrutamento e seleção mais dinâmico para o candidato e mais inteligente para o recrutador.

Por fim, retorno ao Davi, personagem destacado pela sua improvável e milagrosa vitória. Ele não deveria ter ganhado. Ou deveria? A interrogativa que permeia essa questão, sem sombra de dúvidas, parte de um princípio importante: trilhar o caminho da inovação – aumentando a produtividade para colecionar vitórias – é uma variável que transita por persistência, planejamento e insistência.

José Roberto Securato Junior é conselheiro da Saint Paul Escola de Negócios e vice-presidente do Ibevar.