Rumo ao Hacktown

Por Beto Schmidt

Falta pouco mais de um mês para o Hacktown e já estou selecionando o que vou ver lá.
Deixe-me explicar melhor. O Hacktown acontecerá de 7 a 10 de setembro em Santa Rita do Sapucaí, em Minas Gerais. O festival é claramente inspirado no SXSW, com o jeitinho mineiro, e é considerado um dos principais festivais de inovação da América Latina. Na real, neste ano serão três festivais: Tecnologia e Design, Startup e Negócios e Cultura e Entretenimento. Tudo junto na pequena Santa Rita.
Vai ser meu primeiro ano lá e vou palestrar sobre " Como sabotar sua empresa". É um apanhado de técnicas de sabotagem da CIA aplicadas ao cotidiano das empresas. Na ocasião, vou participar do festival de Startup e Negócios.
Meu maior motivador para ir ao festival não é palestrar, e sim, assistir às palestras. E isso não vai faltar. A lista é imensa e pode ser conferida aqui. Já tenho algumas que não posso deixar passar: " Inovação Possível: bom pra quem?", de Rodrigo Giaffredo, e " Big Data e Data Science com Sistemas Cognitivos", de Sérgio Gama, ambos da IBM. Também estão na lista " Value Based Pricing e o desafio de precificar seu trabalho", de Eduardo Rigotto da DesignThinkers Group; " AI: ciborgues, bioética e produção de novas subjetividades", de Thiago Ribeiro de Freitas, que é doutor em Psicologia Social; e " Métodos ágeis para criação de Marcas", de Vanessa Pessim, da Jam.
Também assistirei às palestras dos conterrâneos Cristiano Fragoso ( "Storytelling DIY: crie você mesmo histórias poderosas"), Luciana Bazanella ( "Breaking Good: o novo paradigma de comunicação para marcas") e Cesar Paz ( "X: A Economia da Experiência").
E ainda tem toda a parte de atrações culturais e musicais. Para quem se interessou, mas está preocupado com a grana, posso afirmar que esse é um festival bem mais em conta que qualquer outro. Cannes, SXSW e El Ojo são caros e demandam tempo. O Hacktown acontecerá no feriadão de Independência e é bem em conta: R$ 150 pilas dão acesso a todo esse conteúdo. Passagem está com preços razoáveis e ainda tem algumas possibilidades de hospedagem no Airbnb.
Se tiver vontade de ir e está com alguma dúvida, pode me mandar um e-mail para [email protected]com que eu tento ajudar. Mas agiliza que os ingressos estão esgotando!
Beto Schmidt é head de Criação da agência Moove e integrante do Clube de Criação do Rio Grande do Sul.

Comentários