Ah, jornalismo, minha paixão!

Curiosidade. Cara de pau. Jogo de cintura. Bom papo. Confiável. Metido. Desconfiado. Extrovertido. Adaptável. Comprometido. Não ter hora, mas ter prazo. Escrever. Falar. Ouvir. …

Curiosidade. Cara de pau. Jogo de cintura. Bom papo. Confiável. Metido. Desconfiado. Extrovertido. Adaptável. Comprometido. Não ter hora, mas ter prazo. Escrever. Falar. Ouvir. Furungar. Conseguir fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo. Guardar segredo. Botar a boca no trombone. Lidar com gente mala. Conhecer pessoas legais. Ser gente boa. Transitar entre futebol, política e economia. E amar fazer e ser tudo isso.
Aí começa a vida e algumas das características e atribuições de um jornalista. Misturei tudo de propósito porque somos assim mesmo. Uma mistura de jeitos, estilos, dons e preferências, mas com a mesma missão: retratar a realidade dos fatos e contar histórias. Como é bom ser jornalista!
É uma profissão que não enche o bolso de ninguém, mas deixa a caixa de emails lotada. Te faz atender o telefone em feriado, nos findis e não te permite ficar desconectado. Mas também engrandece a alma, enche o coração de alegria e nos mostra que somos co-responsáveis por mudar o mundo. Permite conhecer pessoas, trocar experiências e aprender coisas novas a cada pauta. Jornalismo é paixão, é essência, é feito com a alma. O resultado do trabalho compensa todo o caminho trilhado até o ponto final do texto.

Autor
Grazielle Corrêa de Araujo é formada em Jornalismo, pela Unisinos, pós-graduada em Marketing de Serviços, pela ESPM, e com MBA em Propaganda, Marketing e Comunicação Integrada, pela Cândido Mendes. É a responsável pela Comunicação Social do IPE, da Sociedade de Cardiologia do RS (Socergs) e da Associação Gaúcha para Desenvolvimento do Varejo (AGV). Atuou ainda na comunicação da Martins + Andrade, Uffizi, CDL Porto Alegre, Palácio Piratini e Assembleia Legislativa. Tem o site www.graziaraujo.com.

Comentários