Ética, muito mais que filosofia

Por Maicon Pagani, para Coletiva.net

Atualmente, existe uma grande variedade de cursos e especializações, tantas opções nas mais diversas áreas, seja para exatas ou humanas, algo mais técnico ou mesmo um doutorado. Também temos a possibilidade de realizar tais cursos de forma EAD, semipresencial, além do modelo tradicional. Nunca foi tão fácil se capacitar, mas ainda estamos muito longe do que desejamos para que tenhamos um futuro promissor. A educação é a base para formulação do pensamento crítico e juízos morais.

A Ética é uma das poucas áreas de conhecimento que é abordada por diferentes ramos, temos nesta matéria um estudo da moral dentro de uma sociedade ou na especialidade de atuação do profissional, sendo a moral uma prática da ética, o exercitar, ação realizada no nosso dia a dia quando discernimos valores. Construída não só pela educação, mas também pela cultura local, a ética vai mudando conforme nossa sociedade também muda. Não muito distante tínhamos anúncios que consideraríamos totalmente imorais nos dias de hoje, sendo assim ultrapassados pelos atuais valores.

Existe nesta área um grande poder transformador, local de reflexão sobre as nossas predileções e preceitos, por mais que possamos entender o que são Ética e Moral, a sua construção como aprendizado, ou mesmo como edificador de caráter, requer bases mais sólidas. Este sentimento precisa estar incutido em nossa sociedade para que a prática possa permear de forma gradual e uniforme, atingindo a todos. Através da comunicação, a Ética tem um grande público como espectador e cabe ao comunicador saber ser digno com os princípios no momento de passar uma mensagem. Como tal ele acaba posicionando e valorando, conforme suas escolhas, tendências que irão se transformar em modelos estéticos, ideais de vida, ideologias e outras formas de compreensão.

A comunicação emitida, antes de mais nada, deve passar pelo critério da moral, como diria Mário Sérgio Cortella em  seu livro Ética e Vergonha na Cara "...Se eu ganhasse desse jeito, o que ia falar para minha mãe?...", e a mensagem que Cortella traz é de uma simplicidade, mas também remete a quem primeiro nos dá educação como ser humano, é a última pessoa que você gostaria de envergonhar, então, se você não poder contar como fez, não faça. A construção ética vem de pequenos comportamentos do nosso cotidiano, logo refletir como devemos orientar nosso público, com nosso trabalho, é influenciar de forma positiva quem for impactado.

Desta forma, fica fácil trazermos para o nossa rotina esta experiência de reflexão ética e, principalmente, sobre como nossa atitude pode fazer a diferença para criação de uma sociedade com valores morais mais ampliados. Na criação de campanhas que buscam informar de forma correta, que conscientizam sobre tabus antes impensáveis, que consigam romper paradigmas e construir novas funções estéticas. Onde a busca pelo objetivo não seja um empecilho para a moral do comunicador, mas sim um agente de capacitação sobre a realidade, buscando contemplar os valores que possam contribuir para uma sociedade mais decente e com menos vergonhas.

Maicon Pagani é profissional de Comunicação, licenciado em Filosofia.

Comments