Ex-chefe de Esportes da Gaúcha morre em decorrência de doença degenerativa

Ary dos Santos tinha 91 anos e trabalhou na emissora do Grupo RBS entre as décadas de 1950 e 1970

O ex-chefe de Esportes da rádio Gaúcha Ary dos Santos faleceu nesta sexta-feira, 12, aos 91 anos. Ele enfrentava uma doença degenerativa e, na semana passada, contraiu uma pneumonia e não resistiu. O velório está sendo realizado na capela B do cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre, e o sepultamento está marcado para as 20h. Ele trabalhou na emissora do Grupo RBS de 1957 a 1970 e lançou nomes fortes no segmento ao longo de sua carreira, dentre os quais Éldio Macedo, Lauro Quadros, Cláudio Brito e Wianey Carlet. "Ele era inovador, visionário e um ótimo líder", declarou Brito em entrevista ao Coletiva.net.

Na Gaúcha, Ary dos Santos foi o criador do conceito 'A maior e melhor', por acreditar que a rádio era a de maior alcance e com a melhor equipe. "Tenho uma admiração grande por ele que sempre incentivou seu time. Ary era apaixonado por rádio, embora não encarasse os microfones", revelou Brito ao portal. Lauro Quadros, surpreso, disse à reportagem que lembra muitas histórias da época em que trabalhavam juntos. "Eu fui admitido na Gaúcha por ele, que aprovou meu teste de locução", falou, emocionado. Também atuou na rádio Farroupilha, onde lançou Pedro Ernesto Denardin.

Na década de 1970, deixou a empresa para trabalhar nas extintas TV e rádio Difusora, hoje, Grupo Bandeirantes, onde liderou o jornalista Flávio Dutra. "Tive o privilégio de trabalhar com ele e muito aprendi. Ele era uma figura única, sempre empolgado, exigente e parecia ter a fórmula dos programas de debates esportivos", relatou, ao mencionar a atração Jogo Aberto, criado por Ary.

Ary dos Santos deixa a mulher, Tereza, que está em estado vegetativo há mais de 10 anos, e dois filhos, Ary dos Santos Jr., que é presidente do Sindirádio, e Elisabeth Crancio.

Comments