Rio Grande do Sul supera Paraná e Santa Catarina no '500 Maiores do Sul'

Sicredi é a campeã no Estado e a melhor colocada entre as gaúchas no ranking regional

João Pillar, consultor de desenvolvimento de negócios do Sicredi, recebe o prêmio em nome da empresa - Reprodução/YouTube

Depois de três edições, o Rio Grande do Sul passou o Paraná no '500 maiores do Sul', levantamento elaborado pelo Grupo Amanhã em parceria com a PwC Brasil e divulgado nesta terça-feira, 29, em um evento híbrido. Isso porque as empresas gaúchas produziram, em seu conjunto, somas de receitas líquidas e de patrimônios superiores às das paranaenses. Entre as marcas, o destaque fica com o Sicredi, que se consolidou como a maior companhia do Estado e também a melhor colocada entre as gaúchas no ranking geral. 

A listagem, desde 1991, utiliza o Valor Ponderado de Grandeza, um critério exclusivo, para classificação. O VPG resulta de uma ponderação dos três grandes números de um balanço: patrimônio (com peso de 50%), receita (40%) e lucro líquido (10%). Para Jorge Polydoro, publisher do Grupo Amanhã, o indicador é um marco. "Também revelamos as 500 emergentes, formando uma lista com mil companhias, o que compõe um cenário histórico, pois muitas destas empresas estão há mais de 30 anos no ranking", destaca.

Elaborado com base em balanços de 2021, nesta edição o Rio Grande do Sul possui 201 empresas (16 a mais que no ano anterior), o Paraná 168 (11 a menos) e Santa Catarina 131 entre as 500. Uma das organizações que voltou à lista e colaborou com o avanço do Estado foi o Zaffari. 

Já a lista do Paraná teve, nesta edição, ausências como Arcelor Mittal Gonvarri Brasil e Cia Iguaçu de Café Solúvel. Assim, no cômputo geral, o Rio Grande do Sul superou o estado concorrente em mais de R$ 9 bilhões na soma de VPGs e em menos de R$ 2 bilhões na soma de faturamentos. No entanto, na totalização de lucros, a vantagem é paranaense: R$ 38,6 bilhões contra R$ 30,3 bilhões das gaúchas. 

Essa disputa de estados também se dá no ranking setorial, no qual o Rio Grande do Sul tem 12 líderes por volume de vendas, nos seus respectivos segmentos de atuação, e o Paraná possui 11 representantes nas campeãs por rentabilidade. Já na listagem setorial, na categoria Comunicação, Edição e Gráfica, a S+ Participações S/A, holding da RBS, lidera como a maior, e a Sociedade Rádio Emissora Paranaense é a mais rentável.

A maior entre as gaúchas e as regionais

Com um crescimento de 27%, totalizando R$ 19,8 bilhões no VPG, o Sicredi se consolidou como o maior do Estado. Além disso, a financeira é a melhor qualificada no Top 10 geral, vencendo no patrimônio, ficando em terceiro lugar entre nos maiores lucros líquidos e com a quinta colocação nos maiores VPGs. Apenas na lista do faturamento é superada pela Yara Brasil Fertilizantes, que ficou em quinto e o Sicredi não configura. 

Uma mudança no Top 10 do Rio Grande do Sul é o avanço da CMPC, empresa da área de celulose, do terceiro lugar para a vice-liderança, invertendo posições com a Yara. Lojas Renner foi outra que melhorou seu desempenho e ultrapassou o Banrisul, assim como a RGE Sul passou a CGT Eletrosul. Houve ainda o retorno da Randon ao grupo de elite, que pulou da 11ª para a 8ª colocação este ano.

O prêmio

A edição de 2022 tem um marco histórico: as companhias da região estão próximas de cruzar o limiar do primeiro trilhão em vendas. Juntas, elas faturaram R$ 961,8 bilhões em 2021, 30,4% a mais do que o exercício de 2020. Liderando o ranking pela quarta vez consecutiva, a catarinense Bunge foi também a que mais faturou (R$ 68,3 bilhões).

Para Carlos Peres, sócio e líder da PwC Brasil na Região Sul, o levantamento é um retrato da economia e do cenário corporativo e baseia diversas estratégias empresariais todo o ano. "Em nossa análise de balanços de empresas para elaboração do ranking, pudemos perceber que há uma maior conscientização das empresas de que a transparência de informações é importante não só para os acionistas, mas também para a sociedade." No site da iniciativa é possível acessar a lista completa.

Comments