Gabriel Casara: A regra é evoluir

Com sede de conhecimento, ele desbrava a vida em busca de desafios profissionais, novos destinos e muito aprendizado

Gabriel Casara, head de Negócios do SBT RS

Ele não é perfeito, e nem quer ser. Mas seu maior objetivo de vida é se tornar melhor a cada dia, como gestor, pai e marido. E tem trilhado este caminho com êxito. Gabriel Casara, head de Negócios do SBT, casado e pai de dois filhos, aos 45 anos se considera um homem realizado, e é grato por tudo. Porém, sabe que ainda há muito para conquistar.

Curioso assumido, descendente de italianos desbravadores - como se autodescreve -, ele segue disposto a aprender, trabalhar, viajar e crescer pessoal e profissionalmente. Por sinal, 'evoluir sempre' é seu lema. Uma ótima diretriz para qualquer ser humano, e que, segundo Gabriel, é a razão da sua existência. Some-se a isso sua maior qualidade: fazer o que é certo. Eis uma bela receita de como cumprir a missão da vida com sabedoria e dignidade.

Itinerário: interior, Brasil e mundo

Um dos primeiros passos rumo a essa evolução desejada foi vestir a identidade de viajante de carteirinha. "Sempre fui muito curioso, não tenho medo de mudar, de experimentar", sentencia. Com 14 anos, foi morar em Portugal, e se apaixonou pela cultura europeia. Aos 15, voltou para sua terra natal, Caxias do Sul. Mas, logo em seguida, aos 17, foi para Porto Alegre estudar Administração na Ufrgs. Dessa época, lembra com carinho de passeios pelo Bom Fim, onde gostava de observar a diversidade local, tão diferente da vida interiorana. Eram hippies, punks, moradores de rua, estudantes, além dos bares, pubs e parques.

Durante o período de faculdade, fez um intercâmbio cultural em Los Angeles, nos Estados Unidos, para aprimorar o inglês. Voltou e iniciou a vida profissional, que o levou a embarcar novamente para a terra do Tio Sam, a fim de se especializar. Entretanto, dessa vez, o destino foi Boston. Lá, fez MBA em Inovação, Empreendedorismo e Liderança Global, no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Após um ano de estudos fora, retornou ao Brasil, mas fixou residência em São Paulo. Regressou para Porto Alegre, depois Florianópolis, e agora está de volta à capital gaúcha com o novo desafio profissional no SBT. Gabriel brinca que sua vida é como a canção do Legião Urbana: "Já morei em tanta casa, que nem me lembro mais".

Entusiasta da diversidade

Assim como o administrador, seus parentes também se mudaram de cidade e estado. Segundo ele, está no DNA da família. Falando nisso, é filho do engenheiro Roberto Casara e da Marilene Casara, professora, e irmão de Daniel Casara, publicitário. Com o histórico de uma infância feliz, conta que, entre os dois irmãos, ele era o mais ativo: "Eu sou o mais velho, que incomodava o caçula até o limite da paciência dele". Os dois tiveram uma infância rara nos dias de hoje, ou seja, na rua. "Era do colégio para a calçada do bairro, até os pais chamarem à noite", recorda. Aos finais de semana, iam para a fazenda do avô, onde ajudavam muito na lida do campo e passeavam a cavalo. "Ter essa infância nos fez conviver com crianças e adultos de diferentes classes. Vivemos em ambientes muito plurais, o que foi importante para a nossa formação como seres humanos", ressalta.

Este interesse pela diversidade o acompanha até hoje. Em sua experiência no exterior, relacionou-se com pessoas de diferentes etnias: "Convivi com japoneses, indianos, americanos, europeus, outros latinos". Dentre as andanças mundo afora, destaca a Europa, e Paris em especial, porque tem muita história e cultura, o paraíso de um sedento por conhecimento. Além do mais, os franceses gostam muito de tênis, seu esporte favorito. "A última vez que fui foi para assistir ao Torneio Roland Garros", entusiasma-se.

Também menciona Portugal, uma vez que viu todo o desenvolvimento do país dos anos 1990 para cá em função da comunidade europeia. Na América, não poupa elogios à nossa Paris Latina: Buenos Aires: "Fui umas nove, 10 vezes, e sempre quero voltar". Quanto ao destino mais exótico, o viajante não titubeia: "África do Sul! Lá, fiz aqueles safaris e fiquei em hotel dentro das reservas, foi extraordinário". Conforme ele, o gosto pelo pé no mundo está ligado a várias coisas, como o prazer por caminhar pelas cidades, estudar a cultura antes e entendê-la na prática, montar e seguir os roteiros, conhecer pessoas e seus hábitos, e viver a vida local.

Ligados por amor e parceria

Casado com Patrícia, dentista, e pai de Giovana, 14, e Pedro, 9, Gabriel não deixa de lado outra integrante muito importante da família, a cachorra Luly, uma border collie de dois anos e meio. E o gestor não poupa elogios ao núcleo: "Eu tenho uma esposa e filhos muito parceiros". A filha mais velha acompanhou as mudanças da família para Boston, Florianópolis e Porto Alegre, e sempre se mostrou muito adaptável e flexível. Tanto que quer saber qual o melhor lugar para fazer intercâmbio, seja em termos de país e cidade, como de faculdade. "A mudança para Porto Alegre não é um transtorno, e, sim, uma nova experiência. Somos muito cúmplices", declara.

Orgulhoso, conta que 90% do consumo de mídia da filha é em inglês. Outro motivo para o pai se vangloriar é o fato da primogênita seguir seus passos na preferência musical por rock. Led Zeppelin, Queen e AC/DC são os prediletos da dupla. Inclusive, um dos pedidos de Giovana é ver AC/DC em Buenos Aires. A fruta não cai longe do pé mesmo, afinal, rock e viagem passaram de pai para filha.

Entretenimento além da profissão

Mesmo trabalhando a maior parte do seu dia com comunicação e entretenimento, Gabriel também muda de lado e vira consumidor para se informar e relaxar. Nesta hora, gosta de séries históricas, filmes baseados em fatos reais, e leitura de biografias. Como exemplos de filmes, cita clássicos como 'Gandhi', 'O Poderoso Chefão' e 'Sociedade dos Poetas Mortos'. Quanto a séries, destaca 'Game of Thrones', 'Vikings', 'The Crown' e, é claro, o clássico de quem é da área 'Mad Man'. Falando de literatura, reverencia Hemingway, as biografias de Elon Musk e Guga, e o mais recente livro com a estratégia da Netflix, 'A Regra é não ter Regras'.

Apesar da preferência por tênis, ele é gremista e, também, adora uma Copa do Mundo. "Não consigo torcer contra o Brasil como algumas pessoas", justifica. Para ele, futebol não é só um esporte, representa nossa nação. Como bom gaúcho, aprecia o tradicional churrasco, mas o posto de comida favorita é dividido com comida oriental sem problema algum. E, para acompanhar, o vinho não pode ficar de fora. Católico não praticante, acredita mais na espiritualidade do que na religião, mas respeita todas e entende sua importância na sociedade.

Administrador da Comunicação

Mas quem é o Gabriel profissional? Certamente, uma mistura de toda essa bagagem pessoal com competência profissional. Formado em Administração com ênfase em Finanças, com MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas e em Gestão Empresarial pela Fundação Cabral, intitula-se um gestor de negócios com ampla experiência na indústria de mídia e comunicação.

Após 17 anos de RBS, encerrou o ciclo e foi atuar em empresas de tecnologia, prestando consultoria para empresas norte-americanas que oferecem SaaS (software as a service) para veículos e anunciantes, como a Quopley e a Libring Technologies. Neste ano, no mês de junho, em plena pandemia, foi contratado em um processo 100% digital para assumir o posto de gestor de desenvolvimento de negócios do SBT. De acordo com ele, estar envolvido no processo de transformação digital do veículo de comunicação é motivador: "É uma empresa familiar querendo trazer coisas novas, o que é ótimo".

Nos seus anos de RBS, foi se desenvolvendo e se tornando multiplataforma: "Trabalhei na gravadora, rádios, jornais, internet, TV, eventos". Mesmo sendo graduado em Finanças, e tendo começado a atuar na área de Planejamento Financeiro Corporativo, sua curiosidade o levou a complementar a formação buscando especialização em Marketing.

Sempre em frente

É sabido que olhar para trás nos ajuda a reavaliar os passos, comemorar o progresso e melhorar dali para a frente. Por conta disso, Gabriel lembra até hoje de um elogio inesquecível que segue direcionando-o: "Disseram-me que eu era um cara inspirador, e isso me deixou muito feliz". Mas a crítica também serve de guia: "Quando minha equipe disse que não me reconhecia como líder, porque eu era muito novo, isso fez eu correr atrás para corresponder às expectativas".

Para alcançar a meta de evolução constante, segue um norteador: "Procuro ser melhor a cada dia baseado nas grandes pessoas que conheço ou tive a oportunidade de conhecer". Além das referências próximas, inspira-se em líderes mundiais, como Gandhi, Nelson Mandela e Barack Obama. Não há como negar que está no rumo certo e com boas inspirações em quem se espelhar. Avante!

Comments