Maiquel Thessing: eterno 'acreditador'

Gestor Comercial e comunicador do Grupo Arauto acredita no seu papel de líder

Maiquel Thessing, gestor Comercial do Grupo Arauto de Comunicação

Uma árvore aleatória, crescendo há anos em uma via de Santa Cruz do Sul, no Centro do Rio Grande do Sul, é quem dá o tom da história: raízes fortes, proximidade da terra e um movimento peculiar com a dinâmica de quem se adapta ao vento, mas segue firme em seu propósito de existir. Maiquel Thessing, gestor Comercial do Grupo Arauto de Comunicação, refletia num dia qualquer, olhando a árvore e as características daquele outro ser vivo que espelhava tanto de sua própria essência. O profissional, nascido e criado no bairro Universitário da cidade onde aquela semente foi plantada um dia, também cresceu e firmou suas raízes no mesmo solo.

Quem vê Maiquel em seus momentos de intensa reflexão não imagina o profissional que dorme com o bloquinho do lado pra não perder nenhum insight e está sempre inquieto, visitando as unidades da empresa em que atua para acompanhar de perto cada processo. Mesmo que esses dois lados pareçam não se conectar, o "cara dos paralelos", como brinca sobre si mesmo, sempre dá um jeito de linkar tópicos distintos de sua vida em explicações aprofundadas, que fazem cada ponto fazer sentido em sua personalidade.

O filho da dona Marieta e do seu Pedro Thessing, conhecido como Schwarzer Peter (em tradução livre do alemão, 'Pedro Preto'), apelido dado pelo avô e reforçado pelos melhores amigos de infância, seguiu os passos do pai e herdou o amor pelos microfones, dedicando grande parte de seus 39 anos para o ambiente do rádio. Tanto é relevante a escolha profissional em sua vida que Maiquel não hesita em apontar como principais realizações da trajetória a inauguração de dois estúdios, que ampliaram a atuação do Grupo Arauto de Vera Cruz para sua cidade, em 2017, e, em 2020, para Venâncio Aires, onde realizou o sonho de empreender ao lado de Luís Carlos Dhiel, presidente do grupo.

Formado em Jornalismo pela Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), ele nunca se afastou das origens, nem mesmo no momento de fazer a monografia de conclusão de curso, o TCC, quando analisou o esporte e as rádios do Interior. O santa-cruzense, que, nas classes e nos corredores acadêmicos, sempre destacou aos professores o amor pelo rádio, orgulha-se de, atualmente, poder encontrá-los e mostrar a concretização desse sentimento. Algo refletido em todos os projetos que põe em prática desde que começou como operador de áudio, até se tornar um dos gestores de uma das principais redes de comunicação locais.

Todo mundo sabe que ele enfrenta o dia a dia sempre de mate em punho, cevado pela namorada, Daniela Schoeninger. Positivo e determinado, o dono da coluna Feed de Negócios, do Portal Arauto, é um motivador e o chimarrão representa o apreço pela cultura do compartilhar. É com esse propósito que ele se reúne semanalmente com a equipe para trocar ideias e explorar o benefício que a gestão lhe dá de poder transitar em vários setores. Maiquel vê nesse traço de prezar pela união, querendo contagiar a todos com a própria alegria, sua principal qualidade. Do outro lado da moeda está a ansiedade na busca pelo que acredita, que, às vezes, admite que pode ser vista como um defeito. Mas é essa mesma inquietude que permeia os tantos caminhos da jornada.

A 'virada'

A vida do comunicador tem um antes e um depois de 2014. Para ele, o ano representou a 'virada' que precisava. E a chave para esse recomeço foi o ingresso no Grupo Arauto. O profissional que, até então, vinha construindo sua jornada no Grupo Gazeta, viu a atual rádio nascer, em 2011, e se consolidar ao longo do tempo. Em 2012, recebeu um convite para ingressar na empresa comandada por Dhiel, mas declinou, em função de projetos que estava tocando e da parceria de seu pai no dia a dia do emprego em que estava. "Lembro que fiz questão de ir diretamente dar um feedback para o seu Luís", recorda. E talvez essa deferência tenha sido fundamental dois anos depois, quando decidiu mudar de ares e encontrou as portas da Arauto abertas para entrar.

As coisas também mudaram em outros aspectos da vida de Maiquel em 2014. Um susto vivido anos antes, com a descoberta de um tumor, deixou uma luzinha de alerta piscando em algum lugar da sua mente, mesmo após descobrir que não era maligno. E esse foi o momento em que ele decidiu mudar o rumo das coisas e cuidar da saúde do corpo e da mente. Fez um curso Master Mind, que envolve treinamentos comportamentais e de liderança, o que considerou uma verdadeira transformação, e aprendeu a pensar mais antes da decisão para sempre, "comer a sopa na temperatura ideal", frase que aprendeu com Dhiel e leva pra vida. Foi depois disso que ele também entendeu que precisava abrir mão de um casamento que já não fazia ambos felizes e voar solo. Voar não. Na verdade, correr.

Maratonando

Em meio a tantas novidades em sua vida, Maiquel descobriu o mundo das corridas e se apaixonou. "Ela é o meu momento", define. E nessa atividade foi, literalmente, longe. Decidiu explorar seu gosto por metas e determinou que correria os 15 quilômetros, que correspondem à famosa disputa que acontece em São Paulo, a São Silvestre. Alguma dúvida de que ele conseguiu? A partir daí, percorreu 21 quilômetros em 2015 e o dobro dessa distância, em 2016 - com o braço luxado -, ingressou em um grupo de corredores e não parou mais, incorporando a prática na rotina.

Mas as maratonas não são apenas literais. Também são literárias. Fã de um bom livro, as obras que mais lhe agradam são aquelas que abordam gestão e emoções. O dia a dia atribulado de quem acorda às 6h para entrar no ar às 7h, e só volta pra casa após o último evento profissional que houver no dia, não faz com que perca o hábito de - além de fazer - ouvir rádio. Nos poucos momentos em que consegue 'desligar', a corrida tem destino: seu refúgio na linha João Alves, uma estrada afastada da região central da cidade. É lá que ele pode se aproximar das coisas simples, como as árvores, por exemplo. De pés descalços, explora o perfil de um Maiquel que revela o setor do agro como destino profissional, caso não atuasse com Comunicação, e que se orgulha de arregaçar as mangas e ajudar a erguer a casa do Grupo Arauto no Parque da Oktoberfest.

Relacionamento é a chave

Não é sobre amor conjugal, mas sobre a importância das pessoas. Os relacionamentos são o mote de vida dele, como profissional da Comunicação e da área comercial. A importância de sentar e conversar com o outro, convencê-lo, sempre foi o atrativo das vendas para Maiquel, e o faz amar o trabalho que desempenha atualmente. Assim como o mesmo motivo não lhe deixa largar os microfones: a possibilidade de conversar com cada ouvinte, todos os dias, em todo o Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari. É por isso também que ele não gosta de ficar sentado nos ambientes da empresa e faz questão dizer que é daqueles que gosta de "ir a campo", estar na rua, observando cada fala, cada gesto, cada expressão e o significado por trás desses códigos do corpo.

E falando em relações, é claro que tem espaço para as do coração. O relacionamento com Daniela, que começou em 2016, não parece ter prazo de validade. Afinal, Maiquel fala da "futura esposa" com um tom indescritível de admiração na voz. Pelo que a namorada é e pela mesma admiração que ela demonstra a tudo que o amado faz. A Dani se dedica aos seus próprios sonhos, mas vive e vibra com cada vitória do namorado. Com 26 anos e atuando na área da saúde, ele a descreve como alguém compreensiva, apoiadora e especial. "Meus amigos sempre dizem: não sei como a 'Alemoa' te aguenta", brinca.

O legado Schwarzer Peter

A valorização dos bons relacionamentos começa "em casa". Mesmo não morando mais com os pais e eles já sendo separados, essa noção de proximidade familiar nunca abandonou Maiquel. Ele conta que sempre visita a mãe, que atualmente vive em um recanto especial, para que receba as atenções necessárias em função da esquizofrenia, e ainda divide o tão apreciado mate com ela. Outra relação, tão importante quanto, é com o irmão mais novo, o empresário do ramo automotivo Germano, que sempre encontra nas horas vagas e que presenteou a ele e a Dani em 2020 com a afilhada Joana, além do sobrinho João Pedro.

A ligação com o pai, comunicador conhecido na região pelo trabalho comunitário e pela promoção da cultura local, inclusive na organização da Oktoberfest, transcende as barreiras familiares e cruza com a história do Maiquel comunicador. O guri que, em meio aos jogos de bola da infância, fazia questão de ir com o seu Pedro para a rádio Gazeta AM, amava ver o pai trabalhar, ao contrário de Germano, que sempre teve aversão à Comunicação. Foi ali, naquele estúdio, que Maiquel começou a operar mesa de áudio e descobriu que queria atuar com rádio 'quando crescesse'. E cresceu. Começou a trabalhar formalmente e foi contratado em 1996 pela empresa, na função que já conhecia muito bem, desde jovem.  Mas ele nem imaginava as surpresas que o futuro - e o rádio - guardavam para os Thessing.

Após ser convidado a integrar a área comercial da antiga empresa e implementar diversos projetos, foi a hora de partir. Já na nova casa profissional há quatro anos, em meio à implementação da unidade de Mato Leitão da Rádio Arauto, veio a novidade: o legado Schwarzer Peter, que visa destacar a integração das culturas que compõem a comunidade local, estaria próximo dele novamente, já que seu Pedro era o novo contratado da rede. E, se não bastasse a alegria de voltar a atuar na mesma emissora em que o pai, ambos passaram ainda a dividir os microfones, nas edições de sábado do Prosit Schwarzer Peter, atração que leva ao público música popular alemã e serviços.

Olhando pra frente

Apesar de ter conquistado tantos objetivos e concretizado sonhos, vislumbra muito a ser feito pela frente. Tem planos para o crescimento do Grupo Arauto e pretende manter seu propósito de vida, continuar "semeando e regando". Por enquanto, Maiquel e Dani se dedicam à Cacau, a shih-tzu que roubou o coração do casal, mas sobre semeadura e raízes, ele confessa que tem o desejo de ter filhos. Católico e muito apegado à fé em geral, acredita que, na hora certa, acontecerá: "As coisas acontecem no tempo de Deus".

O mesmo Maiquel que luta "com unhas e dentes" pelo que deseja, permite-se agradecer pelo que tem e por cada porta aberta, levando 'Gratidão' como uma palavra-chave na vida. O santa-cruzense obstinado, que se define como "um cara comprometido com os seus, movido pela fé, pelos desafios e sonhos", tem uma única certeza para o futuro: pretende seguir vendo tudo de uma forma positiva. Um eterno 'acreditador', quer continuar fazendo de sua vida e da de todos que lhe rodeiam como um de seus próprios bordões diz: um "espetáculo!".

Comments