Igreja Universal vai à Justiça contra matéria escrita por Flávio Ilha

Reportagem produzida para o jornal Extra Classe aborda a arrecadação de dinheiro por parte da instituição religiosa

Flávio Ilha - Reprodução

Em 11 de junho, o jornal Extra Classe publicou a matéria 'Reino universal do deus dinheiro', em que o jornalista Flávio Ilha - atuando como freelancer - investigou como funcionava o sistema de arrecadação de dinheiro dos fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus. Os membros da instituição religiosa, no entanto, não gostaram do teor da reportagem e, por conta disso, acionaram a Justiça, alegando danos morais e exigindo a remoção da publicação.

Em conversa com Coletiva.net, Ilha explicou o processo de construção da matéria, para a qual frequentou a sede estadual da Igreja Universal, na Avenida Júlio de Castilhos, no Centro Histórico de Porto Alegre, durante duas semanas, em março deste ano. "Eram solenidades públicas, em que ninguém pedia a identificação, onde eu presenciei muitas vezes as práticas de arrecadação. Então, a partir dessas observações, fiz a matéria", contou.

O jornalista ainda afirmou que procurou um contraponto da Igreja Universal durante vários dias, tanto por e-mail, quanto por telefone, mas nunca recebeu uma resposta da instituição. "Claro que não é uma matéria positiva, até porque os caras têm um sistema de arrecadação muito heterodoxo, lidando com a ilusão e com a fé das pessoas. Eu, como repórter, relatei isso", explicou, também enfatizando que a reportagem foi uma demanda do jornal.

Ilha explicou ainda que, desde 2016, as instituições estão fragilizadas, pois, naquele ano, um governo inteiro foi deposto com artifícios legais. "Esses caras que se sentem ofendidos, por estarem tendo condutas questionáveis, recorrem à Justiça com o intuito de te intimidar, tirar matéria do ar, de retomar um processo de censura", analisou. Porém, reafirmou que, na publicação, não há qualquer tipo de difamação ou ofensas pessoais, apenas informações baseadas em apuração jornalística.

Valéria Ochôa, editora do Extra Classe, também em conversa com o portal, enfatizou, mantendo-se fiel ao material produzido por Ilha: "O jornal segue rigorosamente os preceitos jornalísticos. Defendemos a liberdade de expressão". Já Cassio Bessa, diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), mantenedor do jornal, afirmou ao Coletiva.net que o veículo ouve sempre todas as partes, mas que a publicação é posicionada, com opinião, o que acaba desagradando algumas pessoas. "Em relação ao processo, estamos seguros e tranquilos. Não queremos agradar, mas, sim, fazer jornalismo", pontuou. Ele ainda destacou que os profissionais que atuam na publicação - contratados ou freelancers - são premiados e de grande prestígio no Estado.

O processo movido pela Igreja Universal, que está tramitando na 13ª Vara Cível do Foro Central da Comarca de Porto Alegre, além de ser contra Flávio Ilha, também coloca o Sinpro/RS como réu, bem como o Twitter e o Facebook, redes sociais em que a reportagem foi disseminada. Após uma tentativa de liminar, para retirar a matéria do ar, por parte da instituição religiosa, a Justiça negou, afirmando que não havia motivos para tal.

O advogado do Sinpro/RS e de Flávio Ilha, Guilherme Osório, informou ao portal que a Igreja Universal recorreu à segunda instância, para tentar reverter a decisão relacionada à liminar. No entanto, mais uma vez, ela foi negada. "Além de uma retratação, eles também querem que o Extra Classe nunca mais publique nada relacionado a eles", explicou.

Procurada por Coletiva.net, a matriz da Igreja Universal do Reino de Deus, em São Paulo, não atendeu às ligações. O portal também entrou em contato com a sede estadual da instituição religiosa, no Centro Histórico de Porto Alegre - onde Ilha realizou as visitas para a matéria -, e, por telefone, um homem, que se identificou apenas como pastor do local, alegou que não saberia responder às questões relacionadas ao processo, mas convidou a reportagem para ir até o local: "Tens que vir até a Igreja".

Comments