Carolina Branchi: Sol em Libra

Um caminho de satisfação pessoal e profissional foi construído, tendo como meta a felicidade própria e a dos demais

Carolina Branchi é diretora de Integrações na Dinamize - Divulgação

Segundo a Astrologia, entre 23 de setembro e 22 de outubro o Sol está sempre transitando por Libra. Também apontada pela Astronomia como uma das constelações que iluminam o caminho percorrido pelo astro-rei durante um ano, era exatamente essa a posição solar no espaço naquela sexta-feira, 19 de outubro de 1984, quando a professora Maria Cecília Branchi deu à luz pela segunda vez. E uma das definições para quem nasce sob influência deste signo diz muito sobre Carolina Müller Branchi, a guriazinha que chegava ao mundo: "Quando se é de Libra, a identidade se fortalece, e desenvolve consciência através dos relacionamentos interpessoais". Coincidência ou não, aos 36 anos, ela trabalha integrando processos e pessoas e tem como propósito de vida entender o que cada um precisa para ser feliz.

A vida de Carolina é energia pura. Cada lugar, pessoa, cor, situação apresentam-se para ela com uma vibração diferente. E o interesse por astrologia, espiritualidade e influência energética vem de casa. Foi da mãe, também libriana, que herdou essa 'vibe'. "Me espelho muito nela", revela. O Reiki, uma de suas paixões, é um exemplo das práticas ensinadas por dona Maria Cecília. A medicina alternativa, que trabalha a canalização de energia, desenvolvida no Japão, em 1922, trouxe para sua rotina o 'Cho ku rei', símbolo que exprime, entre outros significados, 'a luz divina'. Ela se diverte ao confessar que os amigos se impressionam com a quantidade de vezes que ele é reproduzido em seu dia a dia.

A balança que representa o signo de Libra também pode ilustrar a busca pelo equilíbrio que Carolina empreendeu na vida. Como profissional, ela queria se sentir realizada e foi em um estágio no setor de Recursos Humanos da Varig, durante seu curso de técnico em Informática, que descobriu como fazê-lo: trabalhando para encontrar a motivação de cada colega e contribuir para toda a equipe. A jornada de autoconhecimento a levou até o Secretariado Executivo, formação que destaca abranger muito mais do que o cargo de secretária, tendo lhe proporcionado conhecimentos relevantes sobre organização e gestão de pessoas. A partir daí, uma pós-graduação em Marketing Digital e uma em RH, e passagens pelo Banrisul, pela Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) e pelo datacenter Southtech construíram o caminho para que Carolina se tornasse a atual diretora de Integrações da empresa de ferramentas de automação de Marketing, a Dinamize.

Amor à primeira vista

Uma noite festiva, uma energia agradável, o início de relacionamentos duradouros. Foi em um evento que a profissional conheceu a empresa com a qual construiria uma história de mais de uma década. Ela era funcionária do datacenter que atendia à Dinamize e ficou impressionada com a energia que a marca transmitia. A felicidade da equipe e a escolha pela camiseta em uma cor vibrante, o vermelho, em vez de uma neutra e tradicional, plantaram a sementinha do interesse em Carolina. "Eu pensei: quero trabalhar lá", relembra.

A relação Carolina&Dinamize passa diretamente por outra, que também perdura há 12 anos: a dela com Livia Menna Barreto Ribeiro. Seu "par" profissional foi quem a viu na festa e decidiu: "Quero contratá-la". Na sequência, não descansaram enquanto não estavam trabalhando lado a lado. Carolina conta que a diretora de Marketing da Dinamize cresceu dentro da empresa junto com ela, e que se tornaram parceiras, sempre compartilhando demandas, para que a integração e a comunicação da marca caminhassem juntas.

A realização

"Meu maior sonho da vida." É assim que Carolina descreve a maternidade. Sim, apesar de amar sua profissão, é na pequena Lorena, nascida durante a caótica pandemia de Covid-19 de 2020, que ela encontra sua grande satisfação. Desde jovem, sabia o quanto gostava de crianças, tendo pensado, inclusive, em trabalhar com elas. Mas foi para vontade de ser mãe que canalizou esse apreço. Almejando compor uma família com três filhos, teve que se esforçar para convencer o marido, Wainer Kesterke, a ter o primeiro filho. E, agora, diverte-se ao contar que já pretende começar a empreitada de persuadi-lo a garantirem pelo menos mais um irmão ou irmã à primogênita.

Criar a Lorena, de quase seis meses, com tempo saudável de convivência é um dos maiores objetivos de Carolina. E isso é feito em meio à rotina profissional do casal. Sendo o pai criador de uma marca inovadora que desenvolve skates especializados para praticantes de surfe, e a mãe diretora de uma empresa com mais de 60 colaboradores e mais de 20 mil marcas atendidas, não é tarefa fácil. Mas Carolina se dedica totalmente. Ela afirma que conseguiu cumprir o planejamento de fazer apenas um mês de afastamento integral do trabalho após o nascimento da filha. Nos meses seguintes, amamenta e cuida de Lorena mesmo com reuniões e outras atividades, relação facilitada pelo home office trazido pela quarentena do ano. A conciliação de maternidade e profissão faz a gestora ressaltar o quanto o machismo ainda é uma das principais dificuldades percebidas no mercado. O apoio de Lívia para encaminhar as demandas é fundamental, destaca, já que a colega também é mãe e entende o desafio.

Os pais da Lorena (e dos irmãos dela, quem sabe?!) construíram uma relação que já dura 18 anos. Tudo começou ainda no colégio Santo Inácio, onde estudaram juntos. Mas, ao contrário do destino profissional de Carolina, não foi amor nem à primeira, nem à segunda vista. Ela recorda que seu pai, o empresário Raul Guilherme, sempre falava do filho de um amigo que estudava com a jovem, mas acabavam nunca chegando a um denominador comum sobre quem seria o tal "Alemão". Foi apenas quando o futuro sogro faleceu que eles descobriram que falavam de Wainer e, após isso, o agora casal se aproximou até formarem a parceria que perdura há quase duas décadas.

Italianada

Os momentos em família são os preferidos da gremista e pagodeira de carteirinha. E não é apenas o tempo que passa com o marido e a filha. O núcleo familiar chega a incluir 25 primos. E é na casa da "vó Nila" que a "italianada" se reúne desde a infância, no bairro Floresta, sempre ao redor da mesa, com muitas variações de massa, conversa e animação. Wainer ainda estranha como todo acontecimento facilmente se torna uma festa, registra, aos risos, a esposa.

A irmã dois anos mais nova de Guilherme lembra com carinho de ter crescido com essa energia, sempre visitando a casa de massas que a avó tinha, próxima de sua residência, além dos divertidos passeios pela Praça Bartolomeu de Gusmão, conhecida como 'Praça Florida'. Quem sabe tenha sido dessas vivências que surgiu a paixão por estar ao ar livre e pelos piqueniques, que inclusive já fazem parte da vida de Lorena, que teve mais de um de seus chás de fralda realizados nesse formato? "Adoro estar na rua", admite Carolina.

Pé na estrada

Embalada por esse gosto, também surgiu o amor por viajar. Seja pela Dinamize ou junto com o marido, ela conheceu diversas cidades do Brasil e do exterior. Rio de Janeiro, Florianópolis, Curitiba, Ribeirão Preto e Salvador foram alguns dos destinos locais pelos quais passou. Fora das fronteiras brasileiras, esteve nos Estados Unidos, Inglaterra, Canadá, Portugal, entre outros países. Das viagens a Londres e à Califórnia, guarda um carinho especial. Na cidade europeia, orgulha-se de ter ido celebrar a atuação internacional de sua empresa, enquanto no estado norte-americano, o prazer foi poder pegar o carro e fazer um longo passeio, junto com o marido, descobrindo diversas localidades diferentes.

A aparência despreocupada do relato sobre a viagem pela Califórnia engana. Carolina é extremamente organizada e não sai de casa sem um planejamento bem realizado. É um hábito presente nos diversos âmbitos de sua vida, inclusive. Ela se diverte ao contar que, além de usar o celular, post-its e a própria memória, para passeios turísticos, sempre se prepara com listas de onde ir e não abre mão de mapas para marcar exatamente onde parar e o que conhecer. A organização pode ser explicada pela vontade de se antecipar à característica indecisão de seu signo. A libriana revela, aos risos, que, por vezes, escolhe algo rápido, para não dar tempo de ficar em dúvida.

"Vamos!"

O planejamento sempre está presente, mas a disposição para 'se jogar' também. E não é apenas em relação às viagens. Carolina conta que é conhecida pelos colegas pelo grito de guerra, que adora: "Vamos!". Com mais de uma década de carreira, um dos últimos desafios foi se tornar palestrante. Lutando contra a insegurança, que também atribui àquele posicionamento do Sol em Libra, exatamente quando nasceu, ela declara que é uma luta diária falar para grandes públicos e lidar com a autocrítica. Mas nada para seu ímpeto de colocar em prática os objetivos.

Carolina ainda pretende realizar mais: quer descobrir outras formas de atingir positivamente o mercado, quer um lar maior, muitas viagens e, é claro, aumentar a família. Apesar dos desejos para o futuro, afirma que sempre buscou a felicidade e nunca imaginou que a encontraria na posição de gestora e chegaria onde está. Sempre apostando em energia, família, amor e trabalho, os desafios não a assustam e se a assustarem, ela aplica seu lema de vida: "Vai com medo mesmo!".

Comments